CACHAÇA QUEEN OF SANTO ONOFRE FROM PARATINGA-BAHIA: POTENTIAL OF GEOGRAPHICAL INDICATION OF PROCEDURE

Diego de Oliveira Souza, Marcelo Santana Silva, Angela Machado Rocha, Valdir Silva da Conceição

Resumo


O certificado de indicação geográfica (IG), pode ser pedido para produtos e serviços que sejam originais de um país, cidade, região ou localidade de seu território, desde que eles sejam reconhecidos e detentores de qualidades únicas. A conquista da certificação de uma IG proporciona inúmeros benefícios para o lugar onde ela existe, além de agregar valor e fomentar a economia local. O trabalho em questão tem como objetivo apresentar a produção de cachaça artesanal no Vale do Santo Onofre, localizado no município de Paratinga, assim como a presença da bebida no Brasil e no estado da Bahia. Para isso foi feito uma pesquisa de caráter qualitativo em que se busca através de uma revisão literária e de sites de reportagens, notícias que permitam detalhar informações sobre a produção de cachaça no Vale do Santo Onofre. Foi avaliado que a cachaça está em condições bastante favoráveis à obtenção do seu registro de IG como Indicação de Procedência, o que certamente garantirá um maior prestígio nacional e internacional à mesma e, por conseguinte, maiores retornos financeiros para a Associação Rainha do Santo Onofre.


Palavras-chave


Cachaça Rainha do Santo Onofre; Indicação de Procedência; Paratinga; Vale do Santo Onofre

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMES, Cesar. Bagaceira: a aguardente vínica de Portugal. A história do destilado de uvas português que influenciou na produção da cachaça brasileira. 2019. Disponível em: https://revistaadega.uol.com.br/artigo/bagaceira-e-aguardente-vinica_4775.html. Acesso em: 29 abr. 2020.

BELLETTI, Giovanni; MARESCOTTI, Andrea; TOUZARD, JEAN-MARC. Geographical Indications, Public Goods, and SustainableDevelopment: The Roles of Actors’ Strategies and Public Policies. World Development, v. 98, pp. 45–57, 2017 DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2015.05.004

BRASIL. DECRETO Nº 4.062, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. Define as expressões "cachaça", "Brasil" e "cachaça do Brasil" como indicações geográficas e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2001]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/D4062.htm. Acesso em: 29 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasília, DF: Presidência da República, [1994]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em: 17 abr. 2020.

CALDAS, Alcides dos Santos; ARAÚJO, Cristiano Cassiano de. COURY, Rafael de Lira Mansur. As Indicações Geográficas (IGs) como estratégia de desenvolvimento territorial: desafios e potencialidades no distrito de Maragogipinho, Aratuipe,BA. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE, v. 3, n. 38, pp. 81–108, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.21452/rde.v3i38.5032

CÂMARA, M. Cachaça prazer brasileiro. 2 ed. Rio de Janeiro. Editora Mauad. 2018. p. 208.

CERDAN, C.; BRUCH, K. L.; SILVA, A. L. da; COPETTI, M.; FÁVERO, K. C.; LOCATELLI, L. Indicação Geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no Agronegócio. Brasília, 2ª edição, p. 26 - 55, 2010. Disponível em: http://nbcgib.uesc.br/nit/ig/app/papers/0253410909155148.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.

CONEJERO, Marco Antonio; CÉSAR, Aldara da Silva. A Governança de Arranjos Produtivos Locais (APLS) para p Gestão Estratégica de Indicações Geográficas (IGS). Ambiente & Sociedade. v.20 n.1, São Paulo, Jan./Mar, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20160010v2012017

CORREIO DO OESTE. Paratinga: prefeito Marcel Carneiro prestigia fenagro e diz que cachaça paratinguense é destaque em todo o país. 30 de novembro de 2017. Disponível em: https://correiodooeste.com.br/paratinga-prefeito-marcel-carneiro-prestigia-fenagro-e-diz-que-cachaca-paratinguense-e-destaque-em-todo-o-pais/. Acesso em: 30 abr. 2020.

DA SILVA, Icaro Ribeiro Cazumba; CARDOSO, Ryzia de Cassia Vieira; GOES, Josê Angelo Wenceslau; DRUZIAN, Janice Izabel; JÚNIOR, Permínio Oliveira Vidal; ANDRADE, Alaane Caroline Benevides de. Food safety in cassava “flour houses” of Copioba Valley, Bahia, Brazil: Diagnosis and contribution to geographical indication. Food Control, v 72, Part A, pp. 97-104, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2016.07.034

DUPIM, L. C. de O.; HASENCLEVER, L. Indicações Geográficas e Desenvolvimento Local no Brasil: Estudo de Casos. In: Workshop Catarinense de Indicação Geográfica, Joinvile/SC, p.18-28 ago. 2015. Disponível em: https://www.univille.edu.br/community/novoportal/VirtualDisk.html/downloadDirect/1271717/IV-Indicacao-Geo.pdf. Acesso em: 25 abr. 2020.

FONSÊCA, A. A Rota da Cachaça é um roteiro só para os fortes. 2019. Disponível em: https://www.bahianoiteedia.com.br/a-rota-da-cachaca-e-um-roteiro-so-para-os-fortes/. Acesso em: 30 abr. 2020.

GANDRA, A. Setor da cachaça faturou mais de R$ 10 bilhões em 2017. No dia Nacional da cachaça, produtores pedem mudanças em impostos. 2018. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-09/setor-de-cachaca-faturou-mais-de-r-10-bilhoes-em-2017. Acesso em: 30 abr. 2020.

Gil, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed,São Paulo: Atlas, 2002

IBGE. Paratinga. 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/paratinga/panorama. Acesso em: 15 abr. 2020.

INMETRO. Cachaça, 2019. Informação ao consumidor. Disponível em: . Acesso em: 6 abr. 2020.

INPI. Pedido de indicação geográficas concedidos e em andamentos. 2019. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em: 25 abr. 2020.

INPI. Cadernos de especificações técnicas das indicações geográficas reconhecidas pelo INPI. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/regulamento-de-uso-das-indicacoes-geograficas. Acesso em: 25 abr. 2020.

KEGEL, Patrícia Luiza; CARLS, Suelen. O Instituto Jurídico da Indicação Geográfica na promoção do desenvolvimento regional: o caso dos cristais artesanais da região de Blumenau. Redes (St. Cruz Sul, Online) v. 20, n 3, p. 293-313, 2015. DOI: https://doi.org/10.17058/redes.v20i3.4381

MAIORKI, Giovane Jose; DALLABRIDA, Valdir Roque. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações (Campo Grande), v.16, n.1, pp.13-25, 2015, DOI: https://doi.org/10.1590/151870122015101.

MARQUES, Bartolomeu das Neves; BULCÃO, Camila Santos; LIMA, Ângela Maria Ferreira; LOPES, Jerisnaldo Matos; SILVA, Marcelo Santana. Artefatos de Couro de Ipirá: Potencial de Indicação Geográfica no Território da Bacia Do Jacuípe – Bahia. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 12, n. 5, p. 1598-1611, 2019. DOI: http://dx.doi .org/10.9771/cp.v12i5 %20Especial.31018

MARONI, João Rodrigo. Acordo com União Europeia abre mercado bilionário para a cachaça. 2019. Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/acordo-com-uniao-europeia-abre-mercado-bilionario-para-a-cachaca/. Acesso em: 29 abr. 2020.

MASCARENHAS, G; WILKINSON, J. Indicações geográficas em países em desenvolvimento – Potencialidades e desafios. Ano XXIII, n. 2, Abr/Maio/Jun, 2014. Disponível em: https://seer.sede.embrapa.br/index.php/RPA/article/viewFile/918/824. Acesso em: 24 abr. 2020.

MEDEIROS A, Mirna de Lima; PASSADORA Cláudia Souza; PASSADOR João Luiz. Implications of geographical indications: a comprehensive review of paperslisted in CAPES’ journal database. RAI Revista de Administração e Inovação, v.13, pp 315–329, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rai.2016.09.002

MOREIRA, D. S. S; ROCHA, A. M; SILVA, M. S. Café de Piatã-Ba: O sucesso da Cafeicultura como um dispositivo de potencialidade socioeconômica. Propriedade intelectual: estudos propectivos e inovação tecnológica. Org. Suzana Leitão Russo, André Moraes dos Santos, Cristiane Toniolo. Aracaju: Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual, 376 p. 2020. Disponível em: http://www.api.org.br/bancodearquivos/uploads/64592-ebook-propriedade-intelectual.pdf. Acesso em: 8 abr. 2020.

NASCIMENTO, J. S.; NUNES, G. S.; FIALHO, A. S.; BANDEIRA, M. da G. A. Indicações Geográficas: agregação de valor aos produtos brasileiros e maranhenses. Revista GEINTEC, São Cristóvão/SE, v. 2, n.4, p.353-364, 2012. Disponível em:

http://revistageintec.net/index.php/revista/article/viewFile/53/128. Acesso em: 28 abr. 2019.

NIEDERLE, Paulo Andre; BRUCH, Kelly Lissandra; PINTO VIEIRA, Adriana Carvalho. Reconfigurações institucionais nos mercados agroalimentares: a construção dos Regulamentos de Uso das Indicações Geográficas para vinhos no Brasil. Mundo Agrário. v.17, n.36, pp 01-22, 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.ar/pdf/magr/v17n36/v17n36a09.pdf. Acesso em: 16 abr. 2020.

OLIVEIRA, I. N. O Vale do Santo Onofre/Paratinga. Gazeta da Lapa. 2015 - Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NZJtQGjHTIQ&t=302s. Acesso em: 30 abr. 2020.

PELLIN, Valdinho Pellin. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações (Campo Grande), v. 20, n. 1, p. 63-78, 2019. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v20i1.1792

PEREIRA, Mara Elena Bereta de Godoi, LOURENZANI, Ana Elisa Bressan Smith, Kassia Watanabe. Indicações Geográficas como estratégia de desenvolvimento: o caso do Norte Pioneiro do Paraná. Interações (Campo Grande), v.19 n.3, pp 515-528, Campo Grande, 2018. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v19i3.1654

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA. Paratinga. 2017. Disponível em: http://www.paratinga.ba.gov.br/govparatinga/Index/Index/0/3. Acesso em: 15 abr. 2020.

REIS, J. T. Setor de Bebidas no Brasil: Abrangência e Configuração Preliminar. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, v. 7, n. 2, abril-junho, pp. 205-222, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4735/473547036004.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.

RINALLO, Diego; PITARDI, Valentina. Open conflict as differentiation strategy in geographical indications: the Bitto Rebels case British. Food Journal, v. 121, n. 12, pp. 3102-3118, 2019. DOI: https://doi.org/10.1108/BFJ-11-2018-0738

ROCHA, A. M; SOUZA, D. O; SILVA, M. S. Abacaxi de Itaberaba: A Pérola do Nordeste Baiano que Merece ser Protegido/Bahia, Revista INGI Vol.3, n.2, p.320-332. Abr/Mai/Jun, 2019. Disponível em: http://www.ingi.api.org.br/index.php/INGI/article/view/48/48

SEBRAE. Propriedade Intelectual. Indicação Geográfica Brasileira. 2012. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/indicacoes-geograficas-brasileiras,9e71dd1811920510VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 6 abr. 2020.

SEBRAE. Cachaça Artesanal. Séries Estudos Mercadológicos. Relatório completo. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, 2012. Disponível em: http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/444c2683e8debad2d7f38f49e848f449/$File/4248.pdf. Acesso em: 29 abr. 2020.

SCHNEIDER, Michele Domingos; ZILLI, Julio Cesar; PINTO VIERA, Adriana Carvalho. Os Impactos da Indicação de Procedência no Desenvolvimento Econômico na Produção de Uva, nos Municípios dos Vales da Uva Goethe – SC. Caderno de Prospecção, Salvador, v. 10, n. 2, p. 327-340, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i2.17928

TAYLOR. História da cachaça - patrimônio nacional. 13 de setembro de 2017. Disponível em: https://geografiabemfacil.blogspot.com/2017/09/historia-da-cachaca-patrimonio-nacional.html. Acesso em: 6 abr. 2020.

VALENTE, M. E.; PEREZ, R.; RAMOS, A. M.; CHAVES, J. B. P. Indicação Geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 3, p. 551-558, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n3/a7712cr5407.pdf. Acesso em: 16 abr. 2020.

VASCONCELOS, Y. Cachaça sem Mistério. Pesquisa FAPESP, edição 87, maio de 2003. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2003/05/74_química.pdf. Acesso em: 6 abr. 2020.

VELLOSO, C. Q.; BRUCH, K.; CADORI, A. A.; LOCATELLI, L. Identificação dos produtos potenciais e organização dos produtos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no Agronegócio. Brasília, 2ª edição, p. 26 - 55, 2010. Disponível em: http://nbcgib.uesc.br/nit/ig/app/papers/0253410909155148.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

WILKINSON, John; CERDAN, Claire; DORIGON, Clovis. Geographical Indications and “Origin” Products in Brazil – The Interplay of Institutions and Networks. World Development, v. 98, pp. 82–92, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2015.05.003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: