TOMÉ-AÇU CACAO: THE IMPORTANCE OF GEOGRAPHICAL INDICATION FOR PRODUCTS COMMERCIALIZED IN THE INTERNATIONAL MARKET

Paulo de Tarso Anunciação de Melo, Sheila de Souza Corrêa de Melo, Suezilde da Conceição Amaral Ribeiro

Resumo


A disputa mercadológica, ao longo do tempo, instiga a busca por soluções diferenciadas, que indiquem uma qualidade diferenciada e atrativa que melhore, com efetividade, o reconhecimento de produtos e, consequentemente, fomente a comercialização. A Indicação Geográfica (IG) de produtos, no cenário internacional, é um item de qualidade atrativa, com um dispositivo que traz uma série de benefícios ao longo de toda a cadeia produtiva, melhorando as condições sociais e econômicas de regiões que se tornam conhecidas pela sua notoriedade, como também os protege de pirataria e concorrência desleal em razão de seu reconhecimento ser oficializado e válido mundialmente. O objetivo deste é analisar a importância de uma IG para produtos que são comercializados no mercado internacional, como o Cacau de Tomé-açu, a primeira Indicação Geográfica do Estado do Pará. A IG de Tomé-açu teve como propósito o acesso ao mercado internacional, ofertando ao consumidor conceitos e demonstrativos históricos de credibilidade e de garantia de sua origem e ao território o seu desenvolvimento.

Palavras-chave


Agregação de Valor a Produção; Reconhecimento de Produto; Garantia de Origem

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. F. R. A autonomia jurídica da denominação de origem. Wolter Kluwer Portugal sob a marca Coimbra editora. Coimbra: Almedina, 2010.

ALMEIDA, A. F. R. IG, Indicação de proveniência e denominação de origem: os nomes geográficos na propriedade industrial. In: ALVAREZ ENRÍQUEZ, C. P. Derecho del vinho: denominaciones de origen. Santiago: Editora Juridica de Chile, 2001.

ANJOS, F. S.; SILVA, F. N.; CALDAS, N. V. Indicações geográficas, capital social e desenvolvimento territorial. Redes (St. Cruz Sul, Online), v.25, n.2, p. 721-743, maio-agosto, 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v25i2.9636 Acesso em: 19 jun 2020.

BERTOZZI, L. Designations of origin: quality and specification. Food Quality and Preferences, v. 6, p. 143-147, 1995.

BÍBLIA, Cânticos, I, 14.

BRAMLEY, C.; BIÉNABE, E.; KIRSTEN, J. The economics of geographical indications: Towards a conceptual framework for Geographical indication research in Developing countries. In: WIPO. The Economics of Intellectual Property. Suggestions for Further Research in Developing Countries and Countries with Economies in Transition. 2009. Disponível em: https://www.wipo.int/export/sites/www/ip-development/en/economics/pdf/wo_1012_e.pdf Acesso em: 19 jun 2020.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Município de Tomé-Açu - Estado do Pará. Consultado em 01 jun 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Pedidos de indicação geográfica concedidos e em andamento. Disponível em http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil Acesso em: 29 fev. 2020.

BRUCH, K. L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, Luiz Otávio; BOFF, Salete Oro; DEL'OLMO, Florisbal de Souza. (Org.). Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. 1 ed. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008.

BRUCH, K.L. et al. Indicação Geográficas de produtos agropecuários: Aspectos legais, importância histórica e atual. In: PIMENTEL, L (Org.). Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. Brasília: MAPA; Florianópolis: SEaD/UFSC/FAPEU, 2009.

BUAINAIN, A. M.; BATALHA, M. O. Cadeia Produtiva de Frutas. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Política Agrícola. Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura.Brasília: IICA : MAPA/SPA, 2007.102 p.

CARVALHO, N. T. P. A estrutura dos sistemas de patentes e de marcas: passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

DALLABRIDA, V. R.; MARCHESAN, J. Desenvolvimento regional na região do contestado. In. Território, identidade territorial e desenvolvimento regional: reflexões sobre Indicação Geográfica e novas possibilidades de desenvolvimento com base em ativos com especialidade territorial. DALLABRIDA, V. R. (Org.). São Paulo: LiberArs, 2013.

GOMES, S. T; REHFELDT, M. J. H. Um estudo teórico acerca da terminologia e das tarifas utilizadas na exportação de produtos refrigerados por meio de terminais portuários localizados na região sul do Brasil. Revista Destaques Acadêmicos, v. 4, n. 1, 2012. Disponível: http://univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/142/140 Acesso em: 19 jun 2020.

HOMMA, A. K. O. A imigração japonesa na Amazônia: sua contribuição ao desenvolvimento agrícola. 2ª ed. Brasília, DF: Embrapa, 2016. 255 p. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1047845 Acesso em: 19 jun 2020.

MAFRA, L. A. S. Indicação Geográfica e construção do mercado: a valorização da origem no cerrado mineiro, 2008. 123 f. Tese Doutorado em Ciências. Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 2008.

MELO, R. D. Indicações geográficas e infrações concorrenciais. DRd - Desenvolvimento Regional em debate, v. 9, Ed. esp. 2, p. 24-48, 20 dez. 2019.

NIEDERLE, P. A.(Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Vol. 1. Porto Alegre: UFRGS, 2013. 296p.

RIBAS, L. C.; ANASTÁCIO, L. B. A.; LEMOS, S. V. Diretrizes para um sistema integrado de gestão da indicação de procedência “cacau agroflorestal de Tomé-açu”. In: IV PYDES [Recurso electrónico]: Anais. Congresso Internacional em Patrimônio e Desenvolvimento Sustentável: 1-3 de dezembro 2015, Franca, São Paulo, Brasil. Franca: UNESP- FCHS, 2015. p. 1-16. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/301551046_GUIDELINES_FOR_AN_INTEGRATED_MANAGEMENT_OF_ORIGIN_INDICATION_AGROFORESTRY_COCOA_FROM_TOME-ACU Acesso em: 19 jun 2020.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Database IG Sebrae Disponível em https://datasebrae.com.br/ig-tome-acu Acesso em: 29 fev. 2020.

VIVEZ, Jacques. Traité des appellations d'origine, legislation, réglementation, jurisprudence. Paris: Droit et Jurisprudence, 1943.

YAMADA, M. Japanese immigrant agroforestry in the Brazilian Amazon: a case study of sustainable rural development in the tropics. 1999. 821 f. Thesis (PhD) - University of Florida, Florida, 1999.

YAMADA, M. and OSAQUI, H.M.L. 2006. The role of homegardens in agroforestry development: Lessons from Tomé-Açu, a Japanese–Brazilian settlement in the Amazon. In: B. M. Kumar & P. K. R. Nair (eds.), Tropical Homegardens: A TimeTested example of Sustainable Agroforestry. Dordrecht: Springer Link, pp. 299–31.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: