POTENTIAL OF GEOGRAPHICAL INDICATION OF TILAPIA IN THE MUNICIPALITY OF GLORY - BAHIA

Valdir Silva da Conceição Júnior, Angela Machado Rocha, Marcelo Santana Silva, Valdir Silva da Conceição

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma base teórica sobre a Indicação Geográfica (IG), o município de Glória, a criação de tilápia e a potencialidade de reconhecimento da IG, que é conferido a produtos ou serviços que são conhecidos pela sua origem, pela reputação intrínseca, identidade, qualidade única em decorrência do seu processo produtivo ou pelas condições naturais e que seja distinto dos similares disponibilizados no mercado. Normalmente o produto possui uma identificação local, que serve para gerar um conhecimento nacional e/ou internacional, principalmente em decorrência do registro, o que também agrega o reconhecimento territorial, além de preservar o saber-fazer e a sua perpetuação, por permitir a transmissão do conhecimento de uma geração para outra. A tilápia é criada no município de Glória, que atualmente é o maior produtor brasileiro, tendo como fator as condições climáticas, o manejo e a perenidade do Rio São Francisco. A metodologia utilizada foi a bibliográfica, com a utilização de artigos, dissertações, teses e estudos relacionados a IG e a produção de tilápia. O estudo demonstrou um potencial para o registro da tilápia como uma IG no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), pois há evidência de que o município reúne pré-requisitos para a solicitação do pedido.

Palavras-chave


Pesca; Rio São Francisco; Dique; Criatório; Alimento

Texto completo:

PDF

Referências


Bahia Rural. Município de Glória se torna o maior produtor de tilápias no Brasil. TV Bahia. 3 set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2020.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. O potencial da tilápia brasileira, 2019. Disponível em: . Acesso em 30 jun. 2020.

BARROSO, R. M.; PEDROZA, M.; WEBBER, D. C.; SHIOTSUKI, L. Gerenciamento genético da tilápia nos cultivos comerciais. Palmas - TO: Embrapa Pesca e Aquicultura, 2015. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2020.

BOMBARDELLI, L. K.; FINGER, A. T.; ZOZ, C.; DUTRA, R.L. Novas tecnologias na criação intensiva de tilápias na Região Oeste do Paraná. In: ENCONTRO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO, 13, 2017, Toledo. Anais, ENCITEC, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

BORGHESI, R.; HISANO, H.; SUCASAS, L. F. A.; LIMA, L. K. F.; OETTERER, M. Influência da nutrição sobre a qualidade do pescado: especial referência aos ácidos graxos. Corumbá : Embrapa Pantanal; Dourados : Embrapa Agropecuária Oeste, 2013.

BRANDÃO, C. da S. Perspectiva do desenvolvimento da piscicultura no Brasil: um enfoque na produção de tilápias nos últimos dez anos. 2018. 58 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Ciências Econômicas) – Faculdade de Econômica, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018. . Acesso em: 9 de fev. 2020.

BRASIL. Lei nº. 9.279/1996, de 14 de maio de 1996. Regula direito e obrigações relativos a propriedade industrial. Brasil, INPI, 1996. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2020.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Disponível em: . Acesso em 8 fev. 2020.

______ Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.

BRUCH; K. L.; KRETSCHMANN, A. A compreensão da Indicação Geográfica como um signo distintivo de origem. PublicaDireito. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

DINCA, T.; MORESCO, F. R. Estudo sobre potencial de indicação geográfica no território brasileiro. SEMINÁRIO DE ECONOMIA. 2016. ANAIS. Disponível em: . Acesso em 8 fev. 2020.

FIGUEIREDO JÚNIOR, C. A.; VALENTE JÚNIOR, A. S. Cultivo de tilápia no Brasil: origens e cenário atual. Rio Branco, 20 a 23 de julho de 2008. CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2020.

HOSDA; C. S.; NANDI; F.; GRASSELLI, S. L. S. Elaboração de nuggets de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) com diferentes concentrações de CMS adicionado de sálvia e alecrim e sua avaliação físico–química, microbiológica e sensorial. 2013. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnólogo em Alimentos) - Universidade Tecnolägica Federal do Paraná. Medianeira, 2013. Disponível em: https://bit.ly/2Z3iCUx. Acesso em: 22 jun. 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA.- Brasília : Rio de Janeiro: Ipea. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2020.

LAICE, L. M. Crescimento de diferentes famílias da tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) da linhagem GIFT. 2016. 55 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2016. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2020.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. – 6. reimpr. São Paulo: Atlas: 2011.

MENDES, A. I.; CARVALHO, M. C. Caracterização da piscicultura em tanques-rede no município de Rubinéia-SP: um estudo de caso. Revista do Agronegócio – Reagro, Jales, v. 5, n. 1, p. 16 – 33, jan./jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

OLIVEIRA, M. A vez da tilápia. Caderno Pesquisa FAPESP. 2016, n. 249, p. 66-71. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DE GLÓRIA. Município de Glória. Disponível em: . Acesso em 13 fev. 2020.

REIS, L. L. de M. Indicação Geográfica no Brasil: determinantes, limites e possibilidades. 2015. 270 f. Tese (Doutorado em Geografia) –Instituto de Geociências. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2015. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2020.

RUSSO, S. L.; BORTOLI, R.; TATUM, C. T. S.; SANTOS, J. A. B. (Org.). Propriedade Intelectual: um guia em forma de questões. Aracaju: Associação de Propriedade Intelectual, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2020.

SANTOS, W. P. C. (Org.). Propriedade intelectual [Recurso eletrônico on-line]. Salvador, BA: IFBA, 2018.

SCHULTER, E. P.; VIEIRA FILHO, J. E. R. Desenvolvimento e potencial da tilapicultura no Brasil. Revista de Economia e Agronegócio – REA, v. 16, n. 2, 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DA BAHIA - SEPLAN. Municípios por território de identidade. 2012. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2020.

SPONCHIATO, Diogo. Tilápia, o peixe que domina o Brasil. Saúde. 18 abr. 2019. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2020.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA - SEI. Perfil dos territórios de identidade da Bahia. 2018. Disponível em: < https://bit.ly/2YnCLFu>.Acesso em: 9 fev. 2020.

VICENTE, I. S. T.; ELIAS, F.; ALVES, C. E. F. Perspectivas da produção de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) no Brasil. Rev. de Ciências Agrárias, v. 37, n. 4, p. 392-398. Lisboa, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

VIEIRA, A. C. P.; LOURENZANI, A. E. B. S.; BRUCH, K. L.; LOCATELLI, L.; GASPAR, L. C. M. (Org.). Indicações Geográficas, signos coletivos e desenvolvimento local/regional - Vol. 2. Erechim: Deviant, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: