BUERAREMA CASSAVA FLOUR, BAHIA: POTENTIALITIES FOR REGISTRATION AS GEOGRAPHICAL INDICATION

Giovanna Sampaio, Angela Machado Rocha, Hermes Oliveira Gomes, Valdir Conceição

Resumo


O presente trabalho detém como objetivo principal ressaltar alguns pontos introdutórios a respeito das características da Farinha de Buerarema, a fim de sobrelevar seu sabor diferenciado dentre outras farinhas idênticas, devido às condições climatéricas específicas desta região baiana de cultivo da mandioca. Ademais, reitera-se o seu valor turístico atrativo, indicando sumariamente o potencial deste produto para concessão/obtenção de Indicação Geográfica. A metodologia utilizada foi a revisão de literatura sistemática, com o uso de estudos e documentos interdisciplinares em torno do tema, bem como que artigos, livros, reportagens, pronunciamentos, instrumentos normativos e teses superiores visando-se embasar as circunstâncias que conferem à Farinha de Mandioca de Buerarema, Bahia potencial para registro de IG.


Palavras-chave


Farinha; Indicação Geográfica; Mandioca; Turismo

Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA. Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura do estado da Bahia – SEAGRI. Buerarema e Ilhéus ganham fábrica de farinha de mandioca. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

BRASIL. Lei nº. 9.279/1996, de 14 de maio de 1996. Regula direito e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasil, INPI, 1996.

______. Câmara dos Deputados. Discurso e notas taquigráficas do Deputado Geraldo Simões. Disponível em:. Acesso em: 27. Ago. 2019.

CALLIARI, M. A. C. A Questão da Genericidade no âmbito das indicações geográficas. 2010. 217 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) – Academia de Propriedade Intelectual e Inovação do INPI. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: < http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:lVFIgimQRQ8J:www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/arquivos/dissertacoes-defendidas-ate-julho-2015.pdf+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=be&client=safari >. Acesso em: 27. Abril. 2020.

CARVALHO, G. dos R; DIAS, A. B. Indicação geográfica no território do sisal na Bahia: possibilidades e perspectivas. Disponível em: http://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/70 . Acesso em: 23. Abril. 2020.

CASCUDO, L. da C. (Org.). Antologia da alimentação no Brasil. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977.

__________. História da alimentação no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1983.

CASTRO, F. M. de M. Cultura, Identidade e Planejamento Turístico: um estudo de caso sobre o município de Valença. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult2009/19112.pdf . Acesso em: 24. Abril. 2020.

COELHO, J. D. Produção de mandioca: raiz, farinha e fécula. Caderno Setorial ETENE, ano 3, n. 44, set./2018. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

CNI (Portal da Indústria). Um panorama das indicações geográficas no Brasil. Disponível em:. Acesso em: 20. Set. 2019.

CONCEIÇÃO, V. S. da; ROCHA, A. M; SILVA, M. S. Morango de Morro do Chapéu - Bahia: Potencial para Indicação Geográfica. Anais V ENPI. Florianópolis, 2019, v. 5, n. 1, p. 01-06. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

COSTA, E. R. C. As Indicações Geográficas (IGs) como elementos fortalecedores para a atividade turística. Disponível em:< http://periodicos.uern.br/index.php/turismo/article/view/1073>. Acesso em: 20. Set. 2019.

CUNHA, C. B. V. da. Indicações geográficas: regulamentação nacional e compromissos internacionais. 2013. 41 f. Monografia (Graduação em Economia) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27. Abril. 2020.

_____, L. S. I. Indicação geográfica: A indicação de Procedência para o azeite de dendê produzido em Valença, Bahia. 2011. 253 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2135/tde-03072012-132746/publico/Versao_completa_Camila_Biral_Vieira_da_Cunha.pdf >. Acesso em: 27. Abril. 2020.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Mandioca em Números. Disponível em: . Acesso em: 20. Set. 2019

______. Prosa rural: como produzir a farinha de qualidade Buerarema. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

FREITAS, J. C. B e. As indicações geográficas como objeto do Direito Agrário. 2012. 130 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2012. Disponível em: < https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/14/o/Dissertaçao_Indicaçoes_Geograficas.pdf?1366233160 >. Acesso em: 27. Abril. 2020.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INDICAÇOES GEOGRAFICAS. Entendendo as indicações geográficas – produtos de valor. Disponível em: . Acesso em: 14. Maio. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA (IBGE). Cidades. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL (INPI). Guia básico de Indicação Geográfica. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

___________. Indicações Geográficas Brasileiras. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/sobre/arquivos/igs_miolo_baixa_20120808.pdf . Acesso em: 20. Abril. 2019.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1991.

MAIORKI, G. J; DALLABRIDA, V. R. A indicação geográfica de produtos – um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Disponível em:. Acesso em: 20. Set. 2019.

NASSAR, N. Mandioca – opção contra a fome. Estudos e lições no Brasil e no Mundo. Disponível em: . Acesso em: 20. Set. 2019.

OLIVEIRA, J. de M. L. B. Denominações de Origem e Indicações Geográficas: proteção e impacto sócio-econômico. 2010. 33 f. Tese de Conclusão (Pós-Graduação em Economia e Gestão) – Instituto Superior de Economia e Gestão. Lisboa, 2010. Disponível em: < https://inpi.justica.gov.pt/Portals/6/PDF%20INPI/Teses%20Académicas/DO-IG-%20protecção%20e%20impacto%20sócio-económico%20-%20Joana%20Moura.pdf?ver=2018-01-09-152008-707 >. Acesso em: 27. Abril. 2020.

PINTO, M. D. N. Mandioca e Farinha - Subsistência e tradição cultural. Disponível em: . Acesso em: 20. Set. 2019.

Potencial da IG da farinha de mandioca de Cruzeiro do Sul. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 1, p. 182-191 jan./mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

Prefeitura Municipal de Buerarema. Câmara Municipal. Disposição do perímetro urbano. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

REIS, L. L. de M. Indicação Geográfica no Brasil: determinantes, limites e possibilidades. 2015. 270 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2015. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

REZENDE, A. A de et al. Contribuições para a Indicação Geográfica (IG): considerações sobre Buerarema – BA como uma potencial IG para farinha de mandioca. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 4, p. 791-800, out./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Bahia é pioneira na produção de farinha temperada. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

SILVA, A. R. P. da. Indicações geográficas e estratégia territorial competitiva: estudo comparado Brasil x Espanha. 2014. 193 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2014. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

SILVA, I. R. C. da. O saber-fazer farinha de mandioca: a tradição no processo produtivo, em Nazaré-BA. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 2, p. 365-374, abr./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.

SOUZA, J. M. L. et al. Potencial da IG da Farinha de Mandioca de Cruzeiro do Sul. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1013670/1/25460.pdf . Acesso em: 22. Abril. 2020.

União dos Municípios da Bahia (UPB). Buerarema faz a primeira festa da farinha de mandioca. Disponível em: . Acesso em: 27. Ago. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: