INDICATION OF PROCEDENCE AND DESIGNATION OF ORIGIN OF THE CERRADO MINEIRO REGION: A SYSTEMATIC LITERATURE REVIEW

Nadja Rosele Alves Batista, Cleide Mara Barbosa da Cruz

Resumo


O registro de Indicação Geográfica (IG) é conferido a produtos ou serviços que são conhecidos através do seu local de origem, o que lhes atribui reputação e identidade própria. No caso da Indicação de Procedência (IP) esta apresenta caráter de manufatura e de serviços especializados que, por conta do seu diferencial e concentração em determinado local, ganha forma para atravessar as fronteiras enquanto dá referência ao território em que está instalada, já a  Denominação de Origem(DO) representa as transformações nas dimensões social e humana, onde geram um produto de melhores qualidades físicas, ligadas á características fisiológicas do produto, e sociais do território, com a valorização dos fatores humanos. O mercado mundial de café está em transformação, e estão surgindo os cafés especiais, pois valorizam os seus aspectos de origem e procedência, esta cadeia tem se reestruturado no Brasil. Com isso, o início da produção de café na região do Cerrado Mineiro, vem sendo o resultado de um conjunto de políticas públicas governamentais. O café da região do Cerrado Mineiro é atualmente um grão gourmetizado e certificado pelas principais certificadoras mundiais, bem como é coordenado pela Federação dos Cafeicultores do Cerrado. Em Minas Gerais o café possui um peso na economia, principalmente na geração de renda das famílias que o cultivam.

Palavras-chave


Cerrado Mineiro; Indicação Geográfica; Café; Desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, A. D. S. As cafeiculturas do Cerrado Mineiro e do sul de Minas no escopo das singularidades institucionais. Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Administração, p. 140, 2018.

BARBOSA, P. M. DA S. Marcas, indicações geográficas, selos e certificações de rastreabilidade em busca da certeza da origem e do conteúdo: o caso do café da região do Cerrado Mineiro. Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação em Biotecnologia Vegetal, Inovação e Gestão Estratégica em Biotecnologia Gestão Estratégica em Biotecnologia, p. 253, 2015.

CONEJERO, M. A.; CÉSAR, A. D. S. A governança de arranjos produtivos locais (APLs) para a gestão estratégica de Indicações Geográficas (IGs). Ambiente & Sociedade, n. 1, p. 22, 2017.

DRUZIAN, J. I.; NUNES, I. L. Indicações Geográficas brasileiras e impacto sobre bens agrícolas e/ou agroindustriais. Revista Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 2, p. 14, 2012.

GENARO, F.; CHELOTTI, M. C. transformações no agro do cerrado mineiro: análises a partir dos Censos Agropecuários de 1995/96 e 2006 da mesorregião do Triângulo Mineiro/ Alto Paranaíba. Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.14, p. 63-77, out. 2013.

HICKENBICK, A. C.; FIGUEIREDO, L. G. B. A IMPORTÂNCIA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM NO ESTADO DE SANTA CATARINA: RECONHECIMENTO DO SELO DE PROTEÇÃO. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 6, n. 3, p. 5, 9 nov. 2017.

LEME, P. H. M. V.; AGUIAR, B. H.; REZENDE, D. C. DE. A convergência estratégica em Arranjos Produtivos Locais: uma análise sobre a cooperação entre atores em rede em duas regiões cafeeiras. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 57, n. 1, p. 145–160, jan. 2019.

MORAIS, M. F.; MELLO, E. M. R. DE. Indicação Geográfica do sul de Minas Gerais. CES REVISTA, v. 33, n. 1, p. 28, 2019.

NAGAI, D. et al. Denominações de origem e suas relações com as inovações sociais: um estudo de múltiplos casos da produção cafeeira do Cerrado Mineiro/ Minas Gerais. Revista Perspectivas Contemporâneas, v. 13, n. 1, p. 20, 2018.

NAGAI, D. K.; PIGATTO, G. A. S.; QUEIROZ, T. R. Fontes e redes de informação na produção cafeeira do Cerrado Mineiro, MG. Interações (Campo Grande), v. 17, n. 4, 18 dez. 2016.

OLIVEIRA, R. DE S.; SILVA, M. V. DA; JÚNIOR, J. C. A cafeicultura moderna em Patrocínio/MG: do local ao global. Anais ENGA, p. 12, 2012.

PEREIRA, M. F. V. Globalização, especialização territorial e divisão do trabalho: Patrocínio e o café do Cerrado mineiro. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, v. 23, n. 2, p. 239–254, 16 jan. 2014.

REIS, L. L. D. M. Indicação Geográfica no Brasil: determinantes, limites e possibilidades. Tese apresentada ao Curso de Doutorado em Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia, p. 270, 2015.

SANTOS, H. F. Modernização da agricultura e dinâmica do agronegócio globalizado no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Revista Geografia em Questão, v.12, n.1, p. 9-36, 2019.

VIEIRA, A. C. P.; LOURENZANI, A. E. B. S.; PELLIN, V. As Indicações Geográficas como instrumento de criação de valor para o setor cafeeiro brasileiro. Revista DELOS, p. 18, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: