IMPORTANCE OF THE GEOGRAPHICAL INDICATION “REGION OF SALINAS” FOR THE TERRITORY COVERED BY IT

Denílson Soares dos Santos, Diemerson Dias da Silva, Élcio Manoel Severino

Resumo


A Região de Salinas é a principal referência na produção de cachaça artesanal de qualidade no Estado de Minas Gerais, tanto em volume quanto em número de marcas comercializadas. A conquista dessa IG ocorreu no ano de 2012 e inclui a produção de cachaça artesanal em seis municípios localizados na região. Nessa perspectiva o estudo tem como objetivo evidenciar a importância da IG “Região de Salinas” para o território de sua abrangência. É um estudo de caráter exploratório, descritivo e abordagem qualitativa. A coleta de dados foi realizada por meio de pesquisa bibliográfica e documental. a busca de informações específicas e dados consolidados, foram realizadas pesquisas no site da Associação dos Produtores Artesanais de Cachaça de Salina (APACS), do INPI, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Certificaminas, Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e DataSebrae. Os impactos gerados na região a partir da certificação da IG foram significativos. Na dimensão social foram destaque: a geração de emprego e renda, ética organizacional e interação com a sociedade; no âmbito econômico: a política de qualidade, gestão de processos e produtos, auditorias e análise crítica, infraestrutura adequada, registros e documentação; impactos tecnológicos: curso superior para o desenvolvimento de competências em cachaça artesanal; e os impactos ambientais foram ações corretivas e preventivas, com a adoção de práticas mitigadoras, especialmente na reutilização dos substratos, inclusive com a responsabilização individualizada de cada produtor pelos resíduos gerados durante o processo de produção da cachaça.


Palavras-chave


IG Região de Salinas; Produção de cachaça; Cachaça artesanal

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES ARTESANAIS DE CACHAÇA DE SALINAS. Sobre a APACS. Salinas/MG. Disponível em: https://apacs.com.br/sobre/. Acesso em: 27 maio 2022.

APEX-BRASIL. Apex-Brasil e IBRAC lançam novo convênio para promover a cachaça brasileira. 2021. Disponível em: https://portal.apexbrasil.com.br/noticia/apex-brasil-e-ibrac-lancam-novo-convenio-para-promover-cachaca-brasileira/. Acesso em:17 maio 2022.

BARBOSA, Patrícia Maria da Silva. A importância do uso de sinais distintivos coletivos estudo de caso da indicação de procedência “Paraty” do estado do estado do Rio de Janeiro - Brasil. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação). Coordenação de Programas de Pós-Graduação e Pesquisa, Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Rio de Janeiro, 2011.

BRASIL. Lei 22.926, de 12 de janeiro de 2018. Dispõe sobre o Programa de Certificação de Produtos Agropecuários e Agroindustriais - Certifica Minas e dá outras providências. Palácio Tiradentes, em Belo Horizonte, aos 12 de janeiro de 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A cachaça no Brasil: dados de registro de cachaças e aguardentes ano 2021 / Secretaria de Defesa Agropecuária.– Brasília : MAPA/AECS, 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A cachaça no Brasil: dados de registro de cachaças e aguardentes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/AECE, 2019. 27p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Cachaça de Salinas (MG) recebe selo de Indicação Geográfica. Canal Rural. Publicado em 15/08/2012. Disponível em < https://www.canalrural.com.br/noticias/agricultura/cachaca-salinas-recebe-selo-indicacao-geografica-36126/>

CACHAÇARIA SALINAS. Seleta ganha prêmio internacional de qualidade, 2022. Disponível em

CANALONLINE. Em Salinas, no Norte de Minas Gerais, a cana-de-açúcar origina uma das cachaças mais famosas do país. 2016. Disponível em:http://www.canaonline.com.br/conteudo/em-salinas-no-norte-de-minas-gerais-a-cana-de-acucar-origina-uma-das-cachacas-mais-famosas-do-pais.html. Acesso em: 16 maio 2022.

CARDIERI, Marília Inês Naves. Impactos da indicação geográfica na sustentabilidade regional: estudo de caso na região de salinas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/130877/330009.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 28 maio 2022.

CHAVES, Guta; FERRAZ, Rodrigo; FREIXA, Dolores. Fartura: Expedição Minas Gerais. Melhoramentos. Ebook 2018.

CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL. Dia da Cachaça – Patrimônio nacional, bebida gera renda e emprego. 2021. Disponível em: https://www.cnabrasil.org.br/noticias/dia-da-cachaca-patrimonio-nacional-bebida-gera-renda-e-emprego. Acesso em: 17 maio 2022.

DANIEL, Rafael Claro. Pequena produção de cachaça no interior paulista: a informalidade em questão. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Ciências e Letras, UNESP/Araraquara, São Paulo, 2016.

DATASEBRAE.IG - Região Salinas. 2018. Disponível em: https://datasebrae.com.br/ig-regiao-de-salinas/ Acesso em 16 de maio de 2022.

DIAS, Nathália Caroline. Uma dose “Paraty”: estudo de caso sobre a reivenção dos significados da cachaça. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Juiz de Fora. Minas Gerais, 2016

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Cachaça é símbolo da qualidade da indústria de bebidas de Minas Gerais. G1 Minas Gerais. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/especial-publicitario/fiemg-industria-com-voce/noticia/2021/06/14/cachaca-e-simbolo-da-qualidade-da-industria-de-bebidas-de-minas-gerais.html. Acesso em: 17 maio 2022.

GAMA, Aldenir Teixeira da; MERNES: Francisco Ravier Vallejos; NAVES, Marx Leandro Silva; CABACINHA, Christian Dias. Sustentabilidade da cadeia produtiva da cachaça de alambique na região de Brejo do Amparo Distrito de Anuaria-MG. Enciclopédia Biosfera, v.6, n.11, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas. 1999.

GOLLO, Silvana Saionara; CASTRO, Alberto William. Viana de. Indicações geográficas no Brasil: as indicações de procedências já outorgadas e as áreas e produtos com potencial de certificação. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46., 2008, Rio Branco, AC. Anais [...]. Rio Branco, AC: SOBER, 2008. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/43987/1/778.pdf. Acesso em: 05 ago. 2019.

GUIMARÃES, Paulo Ricardo B. Estatística e Pesquisa de Opinião. Universidade Federal do Paraná. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DA CACHAÇA - IBRAC. Mercado Externo. 2022. Disponível em < https://ibrac.net/servicos/mercado-externo>

INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS. Tecnologia em produção de cachaça. Salinas/MG. Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, 5 out. 2016. Disponível em: https://ifnmg.edu.br/cursos-sal1/cursos-superiores/338-portal/salinas/salinas-cursos-superiores/tecnologia-em-producao-de-cachaca/13591-tecnologia-em-producao-de-cachaca. Acesso em: 27 maio 2022.

INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA. - IMA . Certifica Minas Cachaça. 2022. Disponível em< file:///C:/Users/DELL/Downloads/Cacha%C3%A7as%20-%20Certifica%20Minas%20Cacha%C3%A7a%20%20(2).pdf>

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Indicações Geográficas. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas. Acesso em: 18 maio 2022.

JESUS, Clesio Marcelino de; ORTEGA, Antônio César; PEROSA, Bruno Benzaquen. Cachaça “Região de Salinas”: uma indicação geográfica de procedência em construção. Uma Indicação Geográfica de Procedência em Construção. 2016. Disponível em: https://diamantina.cedeplar.ufmg.br/portal/download/diamantina-2016/163-267-1-RV_2016_10_09_00_40_38_470.pdf. Acesso em: 18 maio 22.

JÚNIOR, Raul Natale; LUZ, Angélica Ramos da; RUIZ, Miguel Ruiz. A história e a química da cachaça/PR: Atena, 2021. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2022.

MARQUES, Bartolomeu das Neves; BULCÃO, Camila Santos; LIMA, Ângela Maria Ferreira; LOPES, Jerisnaldo Matos; SILVA, Marcelo Santana. Artefatos de Couro de Ipirá: Potencial de Indicação Geográfica no Território da Bacia Do Jacuípe – Bahia. Cadernos de Prospecção, v. 12, n. 5, p. 1598-1611, 2019.

MONTEIRO, William. Lançamento de marca valoriza cachaça do Norte de Minas. Agência Sebrae Notícias (ASN). 2016. Disponível em: http://www.mg.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/MG/lancamento-de-marca-valoriza-cachaca-do-norte-de-minas,ff8d82f3f0836510VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 17 maio 2022.

MORAIS, Marcela Pecze de; OLIVEIRA, Jussara Maria Silva Rodrigues; SOUZA, Mariana Ferreira de Souza; SILVA, Alexandra Rezende. Diagnóstico ambiental da produção de aguardente em uma cooperativa dos produtores de cachaça de alambique na região calcária do centro-oeste de Minas Gerais. Conexão ci.: r. cient., v. 8, n. 1, p. 103-118, 2013.

NASCIMENTO, Simon. Exportação de cachaça cresce no Brasil, mas só chega a 2% da produção. O tempo, Belo Horizonte, 17 de janeiro de 2022. Disponível em: https://www.otempo.com.br/economia/exportacao-de-cachaca-cresce-no-brasil-mas-so-chega-a-2-da-producao-1.2596212. Acesso em: 28 maio 2022.

NATT, E. D. M. et al. Baixa renda: O consumo simbólico e o comércio informal de acessórios femininos. Revista Administração em Diálogo, v. 19, n.1, p. 138-163, 2017.

OLIVEIRA, Elias Rodrigues de Oliveira; RIBEIRO, Eduardo Magalhães. Indústria rural, agricultura familiar e desenvolvimento local: o caso da produção de cachaça artesanal em Salinas - Minas Gerais. X Seminário sobre a Economia Mineira. 2002.

PALAZI, Ana Paula. O que muda com a nova normativa da cachaça? Mapa da Cachaça, 06 jul. 2021. Disponível em: https://www.mapadacachaca.com.br/artigos/o-que-muda-com-a-nova-normativa-da cachaca/#:~:text=A%20Portaria%20n%C2%BA%20339%2C%20de,de%20cana%20e%20da%20Cacha%C3%A7a. Acesso em: 27 maio 2022.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamentos de Projetos: Guia PMBOK. 5. ed. Pennsylvania: Campus Boulevard, 2013.

REGULAMENTO DE USO DA IP “REGIÃO DE SALINAS. Salinas, 30 de outubro de 2009.Disponível em < https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas/arquivos/cadernos-de-especificacoes-tecnicas/RegiodeSalinas.pdf> .

REIS, Livia Liberato de Matos. Indicação geográfica no Brasil: determinantes, limites e possibilidades. 2015. 270 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal da Bahia. Instituto de Geociências, Salvador, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/19772/1/Livia_Liberato_Matos_Reis_Tese_Doutorado_Final.pdf. Acesso em: 27 maio 2022.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Cachaça artesanal da Região de Salinas. Mercado e Vendas | Registro de Produto. 2021. Disponível em Acesso em 23/05/2021.

SEVERINO, Antônio J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Daniella Ramos da. A mitologia na representação cultural e no consumo: efeito e recepção do signo da cachaça. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/462/1/arquivo1025_1.pdf. Acesso em: 28 maio 2022.

SOCIEDADE NACIONAL DE AGRICULTURA - SNA. Revista A Lavoura: Cachaça Artesanal: a genuína bebida nacional. Rio de Janeiro/RJ, 2016. Disponível em: https://alavoura.com.br/colunas/indicacao-geografica/cachaca-artesanal-a-genuina-bebida-nacional/. Acesso em 17 de maio de 2022

SYLVIO, Alexandre Sylvio Vieira da Costa; OLIVEIRA, Daniela Cristina Sousa Oliveira; CANUTO, Marcus Henrique; REIS, Arlete Barbosa. Caracterização da produção de cachaça em Minas Gerais e o potencial de geração biogás a partir da vinhaça. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. 2021.

TOZONI-REIS, Marília F.C. Metodologia da pesquisa. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

TRAJANO, Humberto. MG tem 44% dos produtores de cachaças do Brasil, aponta Ministério da Agricultura. G1 Minas. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/05/30/mg-tem-44percent-dos-produtores-de-cachacas-do-brasil-aponta-ministerio-da-agricultura.ghtml Acesso em: 17 maio 2022.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VALENTE, Maria Emília Rodrigues; PEREZ, Ronaldo; FERNANDES, Lucia Regina Rangel Moraes Valente. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, v.43, n.7, p.1330-1336, 2013.

VENTURINI FILHO, W. G. Bebidas alcoólicas, ciência e tecnologia. Editora Blucher, São Paulo/SP, 2010. Disponível em: https://issuu.com/editorablucher/docs/issuu_bebidas_vol1_isbn9788521204923 . Acesso em: 16 maio 2022.

VIEIRA, Lício Valério Lima; SOARES, Roberta Nascimento G. Turismo e geografia: perspectivas da Indicação Geográfica (IG) no planejamento territorial. Caderno Virtual de Turismo, v. 19, n. 3. 2019. Disponível em: https://repositorio.ifs.edu.br/biblioteca/bitstream/123456789/1514/3/Turismo%20e%20geogra%EF%AC%81a%20perspectivas%20da%20Indica%C3%A7%C3%A3o%20Geogr%C3%A1%EF%AC%81ca%20%28IG%29%20no%20planejamento%20territorial.pdf. Acesso em: 27 maio 2022.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Com DOI por artigo.

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: