ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS TIRA E TRL

Tiago Soares da Silva, Leonílio Rodrigues de Sousa, Suzana Leitão Russo

Resumo


Existem diversas formas de avaliar e transferir tecnologias para a sociedade. Considerando o contexto brasileiro, tem-se que o maior número de patentes se encontram nas Instituições Científicas e Tecnologias, chamadas ICT. Umas das dificuldades percebidas para que as tecnologias não cheguem à sociedade é pelas dificuldades de avaliação e valoração das tecnologias desenvolvidas. Com esta motivação, a presente pesquisa apresenta um estudo comparativo entre as metodologias TIRA e TRL. Do ponto de vista metodológico, o estudo é qualitativo, através de uma análise bibliográfica, de natureza exploratória, descritiva e indutiva. As variáveis utilizadas para efeito de comparação foram o ano de criação das metodologias, o foco, escopo, público-alvo e natureza do método, com aplicação prática em uma patente de titularidade do Instituto Federal do Piauí – IFPI. Concluiu-se que o TIRA é voltado para transferência tecnológica, especificamente voltado para ICT brasileiras enquanto a TRL tem como finalidade a avaliação da maturidade da tecnologia. Ambas podem se complementar, de forma a fomentar um sistema robusto de avaliação e transferência tecnológica.


Palavras-chave


TIRA; TRL; avaliação tecnológica; comparação de modelos

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Herlandí de Souza et al. Técnicas de prospecção e maturidade tecnológica para suportar atividades de P & D. Espacios, v. 39, n. 8, 2018. Disponível em: .

ARAÚJO, A. L. C.; CARVALHO, T. V.; QUINTELLA, C. M.; AMARANTE SEGUNDO, G. S.; RUSSO, S. L. Método Prático para Transferência de Tecnologia em Instituições de Ensino Superior. In: Russo, Suzana Leitão; Carvalho, Técia Vieira; Araújo, André Luiz Carneiro de; Amarante Segundo, Gesil Sampaio. Quintella, Cristina Maria. Livro Rede NIT NE Textos de Referência em Inovação Tecnológica & Empreendedorismo. Aracajú: Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual. 2017. Pp.243-263.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas espaciais: NBR 16290: Sistemas espaciais definição dos níveis de maturidade da tecnologia (TRL) e de seus critérios de avaliação. Rio de Janeiro, 2015. 21 p.

CARVALHO, G. A. ; AMARAL, H. F.; BATISTA, P. O. S. ; RIBEIRO, J. E. . Valoração de ativos intangíveis com opções reais: estudo de caso em uma transferência de tecnologia da Universidade Federal de Minas Gerais. NAVUS Revista de Gestão e Tecnologia, p. 07-23, 2019

CAVALCANTE, F. V.; COMES, M. B.; RENAULT, T. B. Intervenientes dos processos de transferência tecnológica em uma instituição de ciência e tecnologia: o Caso Fiocruz. Revista Gestão e Tecnologia, v. 19, p. 217, 2019.

DOMINGOS, Luis André Santos, GARCIA, Rômulo, RIBEIRO, Socorro. Comparação entre o método “TIRA” de transferência de tecnologia (TT) e a gestão de TT realizada nas universidades USP e UNICAMP. In: Cadernos de Prospecção. V. 11, Nº 05, 2018. Disponível em: https://rigs.ufba.br/index.php/nit/article/view/27310. Acesso em 03 mai 2019.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: metáfora dos anos 90 descreve bem o mais sustentável modelo de sistema de inovação. Entrevista concedida a Luciano Valente. Revista Conhecimento e Inovação, Campinas, v. 6, n. 1, p. 1–4, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Indicadores de Propriedade Industrial 2017. Disponível em http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/arquivos/indicadores_pi/indicadores-de-propriedade-industrial-2017_versao_portal.pdf. Acesso em 10 jun. 2019.

MARCONI, M. A. , LAKATOS, E. M. (2002) Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Editora Atlas. 5ª edição, 2002.

MARKINS, J. C. Technology readiness assessments: A retrospective. Acta Astronautica, v. 65, 7 p., 2009.

MORESI, E. A. D. et al. Análise de níveis de prontidão: uma proposta para empresas nascentes. Investigação Qualitativa em Engenharia e Tecnologia, v. 4, 2017.

SAUSER, B.; RAMIREZ-MARQUEZ, J.; HENRY, D.; DIMARZIO, D.; ROSEN, J. Methods for Estimating System Readiness Levels. School of Systems and Enterprises White Paper, 2007.

SILVA, E. L., MENEZES, E. M. (2000) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000, 118p.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo; a fenomenologia; o marxismo. São Paulo: Atlas, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br