A Indicação Geográfica como Ferramenta Estratégica Rumo ao Desenvolvimento Do Cerrado Mineiro

Bruno Henrique Aguiar, Paulo Henrique Leme

Resumo


A busca pelo desenvolvimento se apresenta como um tema de extrema importância no contexto econômico e social brasileiro. Neste cenário, ações ou estratégias adotadas em arranjos produtivos locais tem contribuído para fortalecimento de regiões, especialmente em atividades como a cafeicultura. Investigando as estratégias que contribuíram para o desenvolvimento da região cerrado mineiro, o presente estudo tem como objetivo principal, construir e avaliar o conceito teórico de “convergência estratégica”, identificando as dimensões e caminhos estratégicos trilhados pelo grupo investigado. A convergência estratégica presente na estrutura cafeeira da região do Cerrado e na indicação geográfica do café cerrado, demonstra que uma região pode se desenvolver mediante a inovação, aprendizado e trabalho coletivo.

Palavras-chave


Indicação Geográfica; Cerrado Mineiro; Desenvolvimento Regional

Texto completo:

PDF

Referências


AMATO NETO, J. Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, Fundação Vanzolini, 2000.

AMATO NETO, J. AMATO, R, C, F. Capital social: contribuições e perspectivas teórico-metodológicas para a análise de redes de cooperação produtiva e aglomerações de empresas. Revista Gestão Industrial, v. 5, n. 1, 2009.

BACHA, C.J.C. Economia e política agrícola no Brasil. São Paulo: Atlas, 2004.

BARRA, G. M. J.; OLIVEIRA, V. C. S.; MACHADO, R. T. M. O papel das associações de interesse privado no mercado cafeeiro brasileiro. Revista de Gestão USP, v. 14, n. 2, p. 17-31, 2007.

BARRO, R. J. ; SALA-I-MARTIN, X. Convergence. Journal of political Economy, p. 223-251, 1992.

BEGNIS, H. S. M.; PEDROZO, E. A.; ESTIVALETE, V. de FB. Cooperação enquanto estratégia segundo diferentes perspectivas teóricas. Encontro nacional da associação nacional dos programas de pós-graduação em Administração, v. 29, 2005.

BELARMINO, L. C.; MARTINS F. M.; SIMA, L. F.; ALONSO, C. A.; HEBERLE, A. L. O. Identificação das oportunidades de inovação em APL por multicritério. Grupo de Pesquisa: Economia e Gestão no Agronegócio. EMBRAPA RS 2011.

BOURDIEU, P. O capital social – notas provisórias. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Orgs.). Pierre Bourdieu: escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 65-69.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Valorizando o Produto com o uso da Indicação Geográfica na Agropecuária. Eng. Agrº Antonio Alfredo Gusella.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: Acesso em 27/10/2014

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; organização Luiz Otávio Pimentel. – 4ª ed. – Florianópolis: MAPA, Florianópolis: FUNJAB, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.279, de 14/05/1996. Regula direitos e obrigações relativas à propriedade industrial. Brasília, maio de 1996.

CALDAS, A. S.; CERQUEIRA, P. S.; PERIN, T. F. Mais além dos arranjos produtivos locais: as indicações geográficas protegidas como unidades de desenvolvimento local. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 7, n. 11, 2005.

CASTRO, M. C. D., GUEDES, C. A. Inovação Implementadas pela Embrapa Para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio e do Novo Ambiente Rural. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg6/anais/T10_0297_1405.pdf. Acesso em: 29/10/2014.

CRUZ, K. As intervenções públicas de apoio à comercialização do algodão em pluma brasileiro na safra 2005/06. In: XV congresso da sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural, 22-25/Jul./2007. Londrina. Anais Londrina: UEL, 2007.

DELGADO, M.; PORTER, M. E.; STERN, S. Clusters, convergence, and economic performance. National Bureau of Economic Research, 2012.

DUTRA, D. R.; MACHADO, R. T. M.; CASTRO, C. C. Ações Públicas e Privadas na Implantação e Desenvolvimento da Indicação Geográfica do Café em Minas Gerais. Universidade Federal de Lavras, 2009.

DULLIUS, P. R.; FROEHLICH, J. M.; VENDRUSCOLO, R. Identidade e Desenvolvimento Territorial – estudo das experiências de Indicações Geográficas no estado do RS. Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Rural, Territorial e Regional, Santa Maria RS, 2008.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Uwe Flick; tradução Joice Elias Costa. 3. Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2009.

GASCÓN, J. M. H, et al. Clusters and competitiveness: the case of Catalonia (1993-2010). Generalitat de Catalunya, Government of Catalonia, Ministry of Enterprise and Labour, 2010.

GIOMO, Gerson S.; PEREIRA, Sérgio P.; BLISKA, FM de M. Panorama da cafeicultura orgânica e perspectivas para o setor. O Agronômico, 2007, 59.1: 33-36.

GIOVANNUCCI, D.; BARHAM, E.; PIROG, R. Defining and marketing “local” foods: geographical indications for US products. The Journal of World Intellectual Property, v. 13, n. 2, p. 94-120, 2010.

GOLLO, S. S.; CASTRO, A. W V. Indicações Geográficas no Brasil: As indicações de procedência já outorgadas e as áreas e produtos com potencial de certificação. Embrapa Belém –PA Brasil 2008.

INSTITUTO INDUSTRIAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL, Guia Básico – Indicação Geográfica. Disponível em:< http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/legislacao-indicacao-geografica-1>Acesso em 23/09/2014.

KAKUTA, S. M.; SOUSA, A. L. L de; SCHWANKE, F. H.; GIESBRECHT, H. O. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre:SEBRAE/RS, 2006.

LEME, P. H. M. V; AGUIAR, B. H. Indicações Geográficas no Contexto de Arranjos Produtivos Locais: Cooperação entre Atores em Rede e a Convergência Estratégica. V EMAPEGS UFLA 23 a 24 de abril de 2015.

MAFRA, L. A. S. Indicação geográfica e construção do mercado: a valorização da origem no Cerrado Mineiro. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – UFRRJ, 2008.

MARTELETO, R. M.; SILVA, A. B. O. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n.3, p. 41-49, 2004.

MASCARENHAS, G., WILKINSON, J. Indicações geográficas em países em desenvolvimento: potencialidades e desafios. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Revista de Política Agrícola, 2014.

MASCARENHAS, G. Indicações geográficas no Brasil: principais fatores determinantes do seu reconhecimento e desempenho. Núcleo de Pesquisas Mercados, Redes e Valores/CPDA/UFRRJ, 2008.

NIEDERLE, P. A. Controvérsias sobre a noção de Indicações Geográficas enquanto instrumento de desenvolvimento territorial: a experiência do Vale dos Vinhedos em questão. In: 47º Congresso da sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural – SOBER. Anais, 2009. Porto Alegre: Sober.

ORTEGA, A. C. Territórios deprimidos: desafios para as políticas de desenvolvimento rural. Editora Alinea, 2008.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Watertown: Harvard Business Review, 1998.

PIERANTI, O. P. A metodologia historiográfica na pesquisa em administração: uma discussão acerca dos princípios e de sua aplicabilidade no Brasil Contemporâneo. Cadernos Ebape, v. 6, n. 1, 2008.

SAES, M. M. S; JAYO, M.; DA SILVEIRA, R. L. F. Caccer: coordenando ações para a valorização do Café do Cerrado. São Paulo: VII Seminário Internacional PENSA de Agribusiness, 1997.

SAES, M. S. M. Competitividade do sistema agroindustrial do café. FARINA, EMMQ; ZYLBERSLTAJN, D. Competitividade no agribuseness brasileiro. São Paulo: USP, 1998, 4: 3-136.

SAES, M. S. M., & FARINA, E. M. M. Q. (1998). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE CAFÉ – ABIC - Ações conjuntas e novos desafios frente a reestruturação de mercado. Agribusiness, p. 1-24, 1998.

SEBRAE. Valorização de Produtos com Diferencial de Qualidade e Identidade: Indicações Geográficas e Certificações para Competitividade nos Negócios. Organizado por: Vinícius Lages, Léa Lagares e Cristiano Lima Borges – Brasília: Sebrae, 2006.

SILVA, A. L. G. Os arranjos produtivos locais no estado de São Paulo: Mapeamento, metodologia de identificação e critérios de seleção para politícas de apoio. Brasilía: SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, 2003. Disponível em . Acesso em: 04/08/2014.

VALE, G. M. V.; AMÂNCIO, R.; DE LIMA, J. B. Criação e gestão de redes: uma estratégia competitiva para empresas e regiões. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 41, n. 2, 2006a.

VALE, G. M. V.; AMÂNCIO, R; LAURIA, M. C. P. Capital social e suas implicações para o estudo das organizações. O&S–Organizações e Sociedade, v. 13, n. 36, p. 45-63, 2006b.

VALENTE, M. E. R. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, v. 43, n. 7, p. 1330-1336, 2013.

VIEIRA, A.C.P.; PELLIN, V. O uso do instituto das indicações geográficas como instrument de promoção do desenvolvimento territorial rural - O caso dos Vales da Uva Goethe Brasil SC.. In: 20 APDR Congress - Renaissance of the regions of southern europe, 2014, Evora: APDR Congress, 2014. v. 1. p. 822-831.

WHITTINGTON, R. The practice turn in organization research: Towards a disciplined transdisciplinarity. Accounting, Organizations and Society, v. 36, n. 3, p. 183–186, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br