Potencial de Indicação Geográfica do Acarajé Baiano

Paula Beatriz Silva Pires, Vivianni Marques Leite dos Santos

Resumo


Diante dos possíveis benefícios para as baianas do acarajé, este artigo contém elementos característicos pertencentes ao acarajé que apontam potencial de selo de Indicação Geográfica (IG), com base no atendimento as condições mínimas exigidas no processo de pedido do selo por meio do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Para isso, foi realizado levantamento documental e bibliográfico do histórico da iguaria no estado da Bahia, como também, da sua importância para a região. Verificou-se que o processo de produção e comercialização representa forte símbolo de identidade baiana, principalmente da mulher baiana, de tal maneira que há evidências do reconhecimento e notoriedade do acarajé no Brasil e no mundo, com relação integrada à região em que o produto está inserido. Finalmente, constata-se o potencial de obtenção do selo de IG para o acarajé, principalmente do tipo Indicação de Procedência (IP).

Palavras-chave


Fatores Humanos; Indicação de Procedência; Culinária Baiana; Caderno de Especificações

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. DECRETO Nº 1.355, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994. Promulga a Ata Final que Incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. Brasília, 1994.

_______.Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio. Brasília, 2010.

_______. Instrução Normativa Nº 095/2018, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2018. Estabelece as condições para o registro das Indicações Geográficas. Brasília, 2018.

CNI. Um panorama das indicações geográficas no Brasil. 2018. Disponível em: . Acesso em 06 de Junho de 2019.

FERREIRA FILHO, A. H. Quem pariu e bateu que balance!: mundos femininos, maternidade e pobreza em Salvador, 1890-1940. Salvador: CEB, 2003.

FUNDAÇÃO PEDRO CALMON. A Bahia tem Dendê. Salvador: Iberbibliotecas, 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: ATLAS S.A, 1999.

GOVERNO FEDERAL. Ofício da Baiana do Acarajé – patrimônio nacional. 2011. Disponível em . Acesso em 06 de julho de 2019.

GOVERNO FEDERAL. Produtos com registro de identificação geográfica se destacam no setor agropecuário. 2012. Disponível em . Acesso em 06 de julho de 2019.

INPI. Indicação Geográfica no Brasil. 2019. Disponível em . Acesso em 06 de julho de 2019.

INPI. Relatório de Atividades. Rio de Janeiro, 2018.

LIMA, V. da C. As Dietas africanas no sistema alimentar brasileiro. In: CARDOSO, C.; BACELAR, Faces da tradição afro- brasileira religiosidade, sincretismo, anti-sincretismo, reafricanização. Salvador: 2 ªed.2006. Pallas, 2006.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O que é Indicação Geográfica (IG)? Disponível em: . Acesso em 06 de julho de 2019.

DRUZIAN, J. I.; NUNES, I. L. Indicações Geográficas Brasileiras e Impacto sobre Bens. Revista Gestão, Inovação e Tecnologias, 2012.

REZENDE, A. A., MIYAJI, M., SIMÕES, G. C., DALTRO, T. S., PEREIRA, I. T. M. S., Considerações sobre as potenciais indicações geográficas do Sudoeste da Bahia. Revista de Política Agrícola , 2015.

SANTOS, V. J. O acarajé e os estudos sobre a cozinha baiana: breve revisão bibliográfica. I Seminário Alimentação e Cultura da Bahia, (pp. 2-3). Salvador, 2012.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; FERNANDES, L. R. R. de M. V. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas. Ciência Rural, v. 3, n. 7, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br