Desafios para Implementação da Lei de Acesso ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado em Instituições de Ensino Superior Federais

Amanda Lins Cavalcanti Galindo, Vivianni Marques Leite dos Santos

Resumo


No Brasil, pela extensa amplitude de patrimônio genético e conhecimento tradicional associado, a lei de acesso a esse material torna-se de suma importância para desenvolvimento sustentável. Além disso, para sua eficiência e eficácia faz-se necessária sua adequada implementação. Considerando que, no Brasil, o desenvolvimento em pesquisa e inovação está associado, majoritariamente, às universidades ou institutos de pesquisa, este trabalho busca, através de pesquisa bibliográfica e estudo de caso, identificar os desafios para efetivação da lei a partir das mudanças que a mesma trouxe, no âmbito das Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas Federais, utilizando a Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) como parâmetro. Como principais desafios, identifica-se a dificuldade na definição do que de fato se adequa aos conceitos trazidos pela lei, bem como a incipiente capacitação dos pesquisadores e a insuficiência na divulgação de material bibliográfico para elucidação dos conceitos associados à temática. Destarte, percebe-se a necessidade de alternativas para minimizar essas questões, como o auxílio tanto do poder público quanto do trabalho conjunto com canais midiáticos para ampla divulgação das informações basilares.

Palavras-chave


Biodiversidade; Conhecimento Associado; Patrimônio Genético; Propriedade Intelectual; Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto nº 8.772, de 11 de maio de 2016. Regulamenta a Lei nº 13.123, de 20 de maio de 2015, que dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade. Brasília, 11 de maio de 2016.

______. Lei nº 13.123, de 20 de maio de 2015. Regulamenta o inciso II do § 1o e o § 4o do art. 225 da Constituição Federal, o Artigo 1, a alínea j do Artigo 8, a alínea c do Artigo 10, o Artigo 15 e os §§ 3o e 4o do Artigo 16 da Convenção sobre Diversidade Biológica, promulgada pelo Decreto no 2.519, de 16 de março de 1998; dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade; revoga a Medida Provisória no 2.186-16, de 23 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, 20 de maio de 2015.

BRITO, A. C. L.; POZZETTI, V. C. Biodiversidade, conhecimentos tradicionais associados e repartição de benefícios. Derecho y cambio social. ISSN: 2224-4131, 2017. Disponível em . Acesso em 19/11/2018.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Parecer ao projeto de lei nº 7735, de 2014. Regulamenta o inciso II do §1º e o §4º do art. 225 da Constituição; os arts. 1, 8, “j”, 10, “c”, 15 e 16, §§ 3 e 4 da Convenção sobre Diversidade Biológica, promulgada pelo Decreto nº 2.519, de 16 de março de 1998; dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético; sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado; sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade; e dá outras providências. Plenário da Câmara, 04 de fevereiro de 2015.

CECHIN, A.; BARRETO, C. G. Pesquisa científica, conhecimento tradicional e indústria: perspectivas e limites do marco legal da biodiversidade. SUSTENTABILIDADE EM DEBATE, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 122 - 132, ago. 2015. ISSN 2179-9067. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.18472/SustDeb.v6n2.2015.15807.

FONSECA, Francisco. Mídia, poder e democracia: teoria e práxis dos meios de comunicação. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n.6, p.41-69, Dec. 2011. Available from . Acesso em17 Dec. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522011000200003.

GÔLO, P.S.; FERNANDEZ, A. C. F.; SANTOS, C. C.; CHAVES, D. S. A.; COELHO, I. S.; SANTOS, L. A.; BARBOSA, M. I. M. J.; SANTOS, M. H.; JUNIOR, P. C. D.; CASTRO, R. N.; MAGALHÃES, V. S. Cartilha sobre o Sistema de Cadastro do Acesso ao Patrimônio Genético e ao Conhecimento Tradicional Associado. Comissão SisGen UFRRJ. Maio, 2018. Disponível em: http://institucional.ufrrj.br/sisgen/files/2018/05/Cartilha-sobre-o-SisGen.pdf. Acesso em 17/12/2018.

GRANJA, A. F.; BARROS-PLATIAU; VARELLA, M. D. Acesso aos recursos genéticos, transferência de tecnologia e bioprospecção. Rev. bras. polít. int., Brasília , v. 42, n. 2, p. 81-98, Dec. 1999 . Available from . access on 22 Oct. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73291999000200005.

JORGE, M F; LOPES, ASSIS, F. V.; F. L. DE; TRAVASSOS, G.; FREITAS, V.; NONATO, A. C.; ORIND, V.; CARVALHO, S. P. de. INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Indicadores de Propriedade Industrial 2018: O uso do sistema de propriedade industrial no Brasil. Rio de Janeiro. 2018.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. 5. reimp. São Paulo: Atlas, 2007.

MASCARENHAS, G. A Biodiversidade Brasileira no Âmbito do Acordo TRIPS. Revista Brasileira de Inovação. v.3, n.2, p.393-416, 2004.

OLIVEIRA, E.; IRVING, M. A. . Controvérsias na agenda de proteção da biodiversidade no Brasil: o papel da mídia pela ótica da Teoria Ator-Rede. Razón y Palabra , v. 90, p. 1-23, 2015.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. D. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo - RS - Brasil: Universidade Feevale, 2013. 276 p.

PRPPGI. Re: sobre instrução normativa sisgen. Mensagem recebida por [email protected] em 27 de novembro de 2018.

SOUZA, A. L. G.; SILVA, G. F. Análise dos registros oficiais brasileiros de acesso legal ao patrimônio genético nacional e ao conhecimento tradicional associado. Revista INGI. Vol. 1, n. 1, p. 018-033. Out/Nov/Dez. Aracaju/SE, 2017.

TURINE, J. A. V.; MACEDO, M. L. R. DIREITOS HUMANOS, COMUNIDADES TRADICIONAIS E BIODIVERSIDADE: DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Revista Direito UFMS, Campo Grande, MS, v. 3, n. 2, p. 175-194, jul./dez. 2017.

UNIVASF. Instrução normativa nº 02/2018, de 02 de abril de 2018. Dispõe sobre os procedimentos para operacionalização do Sistema Nacional de Gestão do Patrimônio Genético e do Conhecimento Tradicional Associado (SisGen), no âmbito da Fundação Universidade Federal do Vale doSão Francisco (UNIVASF). Petrolina/PE, 02 de abril de 2018.

YIN, R. K.. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. 205 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br