A pesquisa sobre Indicações Geográficas no Brasil: Um estudo Bibliométrico

Shana Sabbado Flores, Ivanira Falcade

Resumo


O artigo analisa a pesquisa sobre Indicações Geográficas no Brasil, buscando identificar seu perfil, principais instituições envolvidas e temas recorrentes. O estudo analisou a pesquisa de pós-graduação (teses e dissertações) e os artigos publicados em periódicos revisados por pares, totalizando 221 trabalhos. Os trabalhos foram selecionados no Portal de Periódicos da Capes, buscando a palavra-chave “indicação geográfica”, no período de 2000 a janeiro de 2019. Os resultados apontam para o crescimento das pesquisas, de forma semelhante ao reconhecimento de IGs no país. A pesquisa é bastante pulverizada, está distribuída em 20 estados e 62 instituições, com predomínio de estudos multidisciplinares e com referencial empírico delimitado. A pesquisa é bastante jovem e não foram identificados ainda centros de referência. Foram analisadas também as regiões e produtos principais, com destaque para o vinho e o café. Os trabalhos foram agrupados em 7 categorias de tema, mostrando grande representatividade em prospecção e perspectivas para IGs e desenvolvimento territorial. O artigo aponta oportunidades para o desenvolvimento de novos trabalhos, assim como um amadurecimento que já pode ser identificado, principalmente nas pesquisas de doutorado.

Palavras-chave


Bibliometria; Indicação Geográfica; Propriedade Intelectual

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. A. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em questão, v. 12, n. 1, p. 11–32, 2006.

BRANDÃO, F. S. et al. Confiança e agregação de valor em carnes com indicação geográfica. Arquivo brasileiro de medicina veterinária e zootecnia. Vol. 64, no. 2,(abr. 2012), p. 458-467, 2012.

DALLABRIDA, V. R. Ativos territoriais, estratégias de desenvolvimento e governança territorial: uma análise comparada de experiências brasileiras e portuguesas. EURE (Santiago), v. 42, n. 126, p. 187–212, 2016.

DALLABRIDA, V. R. et al. Indicação Geográfica da Erva Mate no Território do Contestado: reflexões e projeções. Desenvolvimento Regional em debate: DRd, v. 4, n. 2, p. 44–77, 2014.

FALCÃO, T. F.; RÉVILLION, J. P. P. A indicação geográfica de vinhos finos segundo a percepção de qualidade de enófilos. Ciência rural. Santa Maria. Vol. 40, n. 2 (fev. 2010), p. 453-458., 2010.

FANTE, C. C. DE L.; DALLABRIDA, V. R. Governança territorial em experiências de Indicação Geográfica: análises e prospecções. Desenvolvimento Regional em debate: DRd, v. 6, n. 2, p. 228–246, 2016.

FLORES, S. S. Desenvolvimento territorial sustentável a partir da vitivinicultura: o caso dos “Vinhos da Campanha”. 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FALCADE, I. Indicações geográficas, o caso da região com indicação de procedência Vale dos Vinhedos. 2005 190 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FONSECA, C.H. Reflexos do estilo de vida no consumo de carne de frango em Juiz de Fora, Minas Gerais. 2008. 185 f. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a ed. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

INAO. Les produits sous signe d’identidication de la qualité et de l’origine: chiffres-clés 2016. Montreuil, FR 2016. Disponível em: . Acesso em 31 out 2017

INPI. Lista com as denominações de origem reconhecidas até 12 fev. 2019. Rio de Janeiro: INPI, 2019. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em: 20 fev.2019.

INPI. Lista com as indicações de procedência reconhecidas até 12 fev. 2019. Rio de Janeiro: INPI, 2019. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em: 20 fev.2019.

INPI. Acompanhamento de IGs RPI2511 até 19 fev. 2019. Rio de Janeiro: INPI, 2019. Disponível em: Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em: 20 fev.2019.

KOHLS, V. K.; DOS ANJOS, F. S.; CALDAS, N. V. Mutações no mundo vitivinícola: A indicação geográfica como estratégia de qualificação. Desenvolvimento Regional em debate: DRd, v. 6, n. 1, p. 41–62, 2016.

LARA, E.Z. Composição mineral da “Farinha de Mandioca Copióba” para Indicação Geográfica. 2016. 82 f. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos). Universidade Federal da Bahia, Salvador.

MANFROI, V. et al. Aplicação de taninos enológicos na elaboração de vinho Cabernet Sauvignon e seus efeitos sobre a qualidade sensorial. Ciência Rural, v. 40, n. 1, 2010.

MEDEIROS, M. DE L.; PASSADOR, C. S.; PASSADOR, J. L. Implications of geographical indications: a comprehensive review of papers listed in CAPES’ journal database. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 13, n. 4, p. 315–329, out. 2016.

MEDEIROS, M. de L. Indicações geográficas, turismo e desenvolvimento territorial: uma análise sistêmica da indicação de procedência do queijo minas artesanal do Serro. 2015. 271 f. Tese (Doutorado em Administração de Organizações). Universidade de São Paulo/Ribeirão Preto, Ribeirão Preto.

MOTA, M.G. A experiência do território da Serra da Canastra: instituições, indicação geográfica e singularidades. 2017. 123 f. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Araraquara), Araraquara.

NETO, E. T.; PIGATTO, G. A. S.; LOURENZANI, A. E. B. S. Produção de cacau com indicação geográfica (IG) na região de Linhares/ES: aspectos de governança e qualidade. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 14, n. 3, 2018.

NGO BAGAL, M.; VITTORI, M. Practical manual on geographical indications for ACP countries. Technical Centre for Agricultural and Rural Cooperation CTA/OriGIn. http://www. origin-gi. com/images/stories/PDFs/English/OriGIn_publications/manual_acpcomplet. pdf, 2011.

OLIVEIRA, A.B. de. Indicações geográfica, produtos tradicionais e desenvolvimento territorial na Amazônia: um olhar sobre o projeto de indicação geográfica da farinha de Bragança. 2015. 193 f. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal do Pará, Belém

ORTEGA, A. C.; JESUS, C. M. Território, certificação de procedência e a busca da singularidade: o caso do Café do Cerrado. Política & Sociedade, v. 10, n. 19, p. 305–330, 2011.

PINHO, L.S. Influência da embalagem na manutenção da estabilidade e autenticidade da farinha de mandioca Copióba. 2016. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) Universidade Federal da Bahia, Salvador

PIRES, D. A. DE C. K. Diferenciais de um produto e determinação das especificidades necessárias para o reconhecimento como indicação geográfica: um estudo sobre a erva-mate no Planalto Norte Catarinense. 2017. 91 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) Universidade do Contestado, Canoinhas.

PIRES, D. A. DE C. K. et al. A Erva-Mate no Planalto Norte Catarinense: os compostos bioativos como variável na determinação das especificidades necessárias ao reconhecimento como Indicação Geográfica. Desenvolvimento Regional em debate: DRd, v. 6, n. 2, p. 207–227, 2016.

RAMOS, B.D. Indicações geográficas no Brasil: o caso do café da região do Cerrado Mineiro'. 2011. 113 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia). Centro Federal de Educação Tecn. Celso Suckow da Fonseca, Rio De Janeiro.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., v. 11, n. 1, p. 83–89, 2007.

SANTOS, V.H. da S. Representações sociais sobre o processo de certificação da indicação geográfica do queijo de coalho no Agreste de Pernambuco. 2018. Dissertação (Mestrado em Administração e Desenvolvimento Rural). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

SOARES, P.B.D. As indicações geográficas e o desenvolvimento territorial no Mercosul: os casos da carne caprina procedente da Região Patagônica e a Bovina do Pampa Gaúcho da Campanha Meridional do Rio Grande do Sul. 2014. 224 f. Tese (Doutorado em Ciência Tecnologia e Inovação em Agropecuária). Universidade Federal Rural do Rio De Janeiro, Seropédica.

SOUZA, A. M. de. Sistemas de manejo da erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.,) em ervais florestais do Planalto Norte Catarinense: base para uma indicação geográfica. 2018. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

SILVA, L. P.; RODRIGUES, W. A indicação geográfica dos artesanatos em capim dourado da região do Jalapão do estado do Tocantins sob o enfoque dos princípios da boa governança dos commom-pool-resource. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 13, n. 3, 2017.

TONIETTO, Jorge. O conceito de denominação de origem: uma opção para o desenvolvimento do setor vitivinícola brasileiro. Bento Gonçalves: Embrapa-CNPUV, 1993.

TRANFIELD, D.; DENYER, D.; SMART, P. Towards a Methodology for Developing Evidence-Informed Management Knowledge by Means of Systematic Review. British Journal of Management, v. 14, n. 3, p. 207–222, set. 2003.

VANZ, S. A. DE S.; STUMPF, I. R. C. Procedimentos e ferramentas aplicados aos estudos bibliométricos. Informação & Sociedade: estudos. João Pessoa, PB. Vol. 20, n. 2 (maio/ago. 2010), p. 67-75, 2010.

VASCONCELOS, J. R.; SANTOS, J. A. B. DOS. Propriedade intelectual na pós-graduação das universidades federais do nordeste: indicadores bibliométricos. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação: RDBCI, 2019.

WIPO (WORLD INTERNATIONAL PROPERTY ORGANISATION). The definition of geographical indications. Disponível em: . Acesso em 15 jan 2019.

YIN, R. K. Case Study Research: Design and Methods. [S.l.]: Sage Publications, 2009. v. 5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br