Valorização dos Produtos de Origem como Estratégia para o Desenvolvimento Territorial Sustentável – O Caso da Cajuína do Piauí

Wanderson de Vasconcelos Rodrigues da Silva, Suzana Leitão Russo

Resumo


A valorização de produtos regionais, bem como a proteção dos conhecimentos tradicionais atrelados a esses produtos, têm sido utilizados como estratégias para promover o desenvolvimento dos territórios, em especial das regiões rurais em que o agronegócio desempenha um papel fundamental para a economia dos países em desenvolvimento como o Brasil. A concepção da Indicação Geográfica (IG) representa uma base de sustentabilidade para o desenvolvimento territorial, tecnológico, econômico e social. A experiência das IG’s outorgadas pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) permitiu observar diversos impactos positivos para a área geográfica de produção, pois além de potencializar as especificidades do território delimitado, permitiu a proteção e manutenção dos conhecimentos locais ligados à biodiversidade. Dessa forma, este artigo fundamenta-se na discussão acerca do potencial da IG e da proteção do patrimônio cultural associado, tomando para esse estudo o caso da cajuína, uma bebida reconhecida como um bem cultural fortemente vinculado a identidade do estado do Piauí. O artigo possui uma abordagem qualitativa, utilizando-se da pesquisa bibliográfica e documental para descrever os fatos em torno da temática e sua aplicabilidade a outros territórios. Observou-se que os dispositivos de valorização e proteção da cajuína dentro do território piauiense possibilitam a agregação de valor à bebida que se diferencia pela qualidade garantida pelo conselho regulador. Além disso, viabilizam o desenvolvimento territorial sustentável, uma vez que os agentes locais são levados a repensarem suas relações com o meio, tomando consciência sobre a importância da conservação do território.

Palavras-chave


Indicação Geográfica; Agregação de Valor à Origem; Desenvolvimento Territorial Sustentável; Cajuína

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. 1996. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996 - Lei da Propriedade Industrial. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2017.

CERDAN, C. Valorização dos produtos de origem e do patrimônio dos territórios rurais no sul do Brasil: Contribuição para o desenvolvimento territorial sustentável. Política & Sociedade, n. 14, p. 277-299, abr. 2009.

COSTA, J. R. R. Produção de Cajuína no Piauí. Teresina: Procajuína, 2015. 44p.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 2004. Zoneamento pedoclimático para a cultura do cajueiro. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2017.

FLORES, S. S.; MEDEIROS, R. M. V. 2009. Desenvolvimento Territorial Sustentável: uma abordagem sobre sustentabilidade na agricultura. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2017.

GUIMARÃES, H. 2011. Opala: preciosidade do Sertão ganha o mundo. Revista Globo Rural. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2017.

INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial. 2018. Pedidos de indicação geográfica concedidos e em andamento. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018.

IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Conselho consultivo do patrimônio cultural. Parecer sobre a Produção tradicional e práticas socioculturais associadas à cajuína no Piauí, de 15 de maio de 2014. Conselheiro Roque de Barros Laraia. [Brasília], mai. 2014. 7p.

_______. 2009. Dossiê da Produção Tradicional e Práticas Socioculturais associadas à Cajuína no Piauí. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2017.

_______. 2017. O Iphan. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2017.

LAGES, V.; LAGARES, L.; BRAGA, C. L. (org.) Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificação para competitividade nos negócios. Brasília: Sebrae, 2005. 273p.

LITORAL NORTE GAÚCHO. 2017. Denominação de Origem Litoral Norte Gaúcho. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2017.

MAPA. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 1, de 7 de janeiro de 2000, aprova o Regulamento Técnico Geral para fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para polpa de fruta. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jan. 2000, Seção 1, p. 54.

_______. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, Indicação Geográfica. 4 ed. Florianópolis: MAPA, 2014. 415p.

MORENO, J. B. Caetano e a inspiração de “Cajuína”. 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2017.

PATRIMÔNIOS PIAUIENSES. Opala: Pedro II. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2017.

PROCAJUÍNA – União das Associações, Cooperativas e Produtores de Cajuína do Piauí. Manual da Indicação de Procedência da Procajuína. Teresina: Procajuína, 2016.

______. Regulamento de uso da indicação de procedência “Piauí”. Conselho Regulador da Indicação de Procedência “Piauí”. Teresina: Procajuína, 2010.

RIBEIRO, J. L. Cajuína: informações técnicas para a indicação geográfica de procedência do Estado do Piauí. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2011.

RUSSO, S. L.; SILVA, G. F.; NUNES, M. A. S. N. (org.). Capacitação em inovação tecnológica para empresários. São Cristóvão: Editora UFS, 2012. 288p.

SCHNEIDER, S. A abordagem territorial do desenvolvimento rural. Sociologias, Porto Alegre, n. 11, p. 88-125, jan. 2004.

SILVA NETO, R. M. Processamento do pedúnculo do caju: cajuína. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2009. 38p.

VELOSO, C. Cajuína. In: Veloso, C. Álbum: Cinema Transcendental. Estados Unidos: Verve Records, 1979.

VIEIRA, A. C. P.; PELLIN, V. As Indicações Geográficas como Estratégia para Fortalecer o Território: O Caso da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Desenvolvimento em Questão, ano 13, n. 30, p. 155-174, abr./jun. 2015.

WIPO - World Intellectual Property Organization. 2017. General Course on Intellectual Property DL-101. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br