INNOVATIONS IN HIGHER PUBLIC EDUCATION IN PIAUÍ

Allan Kout Lima de França, Renata Silva Mann

Resumo


Ao longo dos anos, a atividade inventiva se consolidou como importante ferramenta para desenvolvimento social ao tempo que sua prática permitiu à humanidade a satisfação de suas necessidades. O aprimoramento intelectual se apresenta como ator fundamental em todo esse contexto, fazendo com que o ambiente educacional seja o principal alicerce de desenvolvimento e consolidação das invenções. Partindo dessa premissa, esse estudo tem como objetivo tipificar as invenções desenvolvidas em instituições públicas de ensino superior do Estado do Piauí. Na pesquisa utilizou-se dados de acesso aberto ao público, disponibilizados nos sites do INPI, Espacenet e sites das instituições investigadas. Trata-se de pesquisa quantitativa de caráter exploratório que analisou e apresentou os dados por meio da estatística descritiva. Embora a literatura demonstre que as práticas inovação e as tecnologias auxiliam ao aprendizado, tornando a formação acadêmica do indivíduo mais consistente e eficaz, este estudo identificou o baixo interesse das instituições públicas de ensino superior do Estado do Piauí em desenvolver invenções de natureza educacional. Os esforços presentes nos processos de inovação desenvolvidos pelas instituições investigadas estão concentrados em inovações que possam ser inseridas no mercado, sobretudo o da indústria químico-farmacêutica.


Palavras-chave


Inovação; Desenvolvimento Social; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


AFUAH, A. La dinâmica de la innovación organizacional: el nuevo concepto para lograr ventajas competitivas y rentabilidad. México: Oxford University Press, 1999.

BOND, S. Ingram, C. Ryan, S. “Reuse, repurposing and learning design – Lessons from the DART project”. Computers & Education, v. 50, p. 601-612. february. 2008.

BORGES, M. C. de A. A educação superior numa perspectiva comercial: a visão da Organização Mundial do Comércio. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, v. 25, n. 1, 2009. 2009. Disponível em: . Acesso em: fevereiro de 2020.

BUAINAIN, Antônio Márcio. SOUZA, Roberto Castelo Branco Coelho de. Propriedade intelectual e inovação na agricultura e saúde. RECIIS. Rio de Janeiro, v.2, n.2, p.58-68, jul.-dez, 2008

CALIARI, K. V. Z.; ZILBER, M. A.; PEREZ, G. Tecnologias da informação e comunicação como inovação no ensino superior presencial: uma análise das variáveis que influenciam na sua adoção. REGE-Revista de Gestão, v. 24, n. 3, p. 247-255, 2017.

CASTELLS, Manuel. La era de la información: economía, sociedad y cultura. siglo XXI, 1999.

CASTELO BRANCO, Roberto. VIEIRA, Adriana. Patentes e biotecnologia aceleram o crescimento da agricultura brasileira. Parcerias Estratégicas. Brasília, DF, n.26, p. 33-100, junho de 2008.

COSTA, Priscila Rezende; JUNIOR, Sergio Silva Braga. Atuação Dos Núcleos De Inovação Tecnológica Na Gestão Da Cooperação Universidade-Empresa. Revista de Administração FACES Journal, v. 15, n. 4, 2016.

DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories. Research policy, v. 2, n. 3, p. I47-62, 1982.

ETZKOWITZ, H. The norm of entrepreneurial science: cognitive effects of the new University-Industry linkages. Research Policy, v. 27, 8 ed, p. 823- 833, 1998.

ETZKOWITZ, Henry.; ZHOU, Chunyan. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estud. av., São Paulo , v. 31, n. 90, p. 23-48, May 2017 .Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142017000200023&script=sci_arttext. Acesso em fevereiro de 2021.

FARIA, A. F.; RIBEIRO, J. A. Fatores de sucesso e condições de contorno para a gestão, operação e avaliação de parques tecnológicos no Brasil: modelo de referência à luz da Hélice Tríplice. In: Conferência ANPROTEC, 2016.

GALVIS, A. H. Ingeniería de software educativo. Santa Fé, Bogotá: Ediciones Uniandes, 1992.

IATA, Cristiane Mitsuê. Et al. O perfil e as práticas de interação dos Núcleos de Inovação Tecnológica de Santa Catarina pela abordagem da Tríplice Hélice. In: Revista ESPACIOS, Vol. 38 (Nº 11) Ano 2017.Disponível em: http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/03/O-perfil-e-as-pr%C3%A1ticas-de-intera%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em fevereiro de 2021.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. Laboratory life: the construction of scientific facts. 2nd. ed. 291p. Princeton: Princeton University, 1986.

LEITE, T. S. A. et al. O uso de tecnologias digitais como instrumento para gestão da aprendizagem: uma revisão da literatura. Humanidades & Inovação, v. 6, n. 10, p. 169-177, 2019.

LEVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34. 1999.

LOTUFO, R. A. A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova Unicamp. In: SANTOS, M. E. R.; TOLEDO, P. T. M.; LOTUFO, R. A. (Orgs.). Transferência de tecnologia: estratégias para estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica. Campinas, SP: Komedi, 2009. 350 p.

MELO, P. L. de R.; ANDREASSI, T. Publicação científica nacional e internacional sobre franchising: levantamento e análise do período 1998-2007. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 2, p. 268-288, 2010.

NICOLAS, F.; MYTELKA, L. L'innovation: Le clef du development. Paris: Masson, 1994.

OECD. The Measurement of Scientific and Technological Activities –Proposed Standard Practice for Surveys on Research and Experimental Development – Frascati Manual. Paris: 2002.

OCDE. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Tradução Flávia Gouveia. Brasília: OCDE; FINEP, 2005.

OLIVEIRA, M. K. Aprendizado e Desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipioni. 1993.

PORTER, Michael E. The structure within industries and companies‟ performance. Academy the Review of Economics and Statistics. v. 61, n. 2, p. 214-227, 2009.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SOUSA, J. C. Processo de inovação na gestão de sistemas de educação a distância: estudo de casos na Universidade de Brasília e Universidade Aberta de Portugal. 2012.2012. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Doutorado em Administração. Disponível em: << http://repositorio.unb.br/handle/10482/10797 &gt>. Acesso em: fevereiro de 2020.

TAROUCO, L. M. R.; FABRE, M. C. J. M.; TAMUSIUNAS, F. R. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE. Novas Tecnologias na Educação. CINTED. UFRGS. Porto Alegre, v. 1, n. 1, 2003. Disponível em: . Acesso em: fevereiro de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Com DOI por artigo.

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: