GEOGRAPHIC INDICATION OF BEE HONEY FROM ALAGOINHAS-BAHIA: A POSSIBILITY

Valdir Silva Conceição, Dayana Ferraz Silva, Giovanna Martins Sampaio, Hermes Oliveira Gomes, Marcela Oliveira da Silva Santos, Angela Machado Rocha

Resumo


Devido ao seu valor nutritivo e terapêutico, o mel é um alimento que vem sendo consumido pela população em uma escala crescente. A Indicação Geográfica (IG) diz respeito ao reconhecimento da qualidade inerente a um produto, cujas características são diferentes dos similares. O objetivo deste documento é verificar o potencial de registro como IG do mel de abelha sem ferrão produzido no município de Alagoinhas. A pesquisa foi bibliográfica, com estudo qualitativo, para identificar os fundamentos que potencializam o registro da IG, cujas características e qualidades são diferentes dos produzidos em outras regiões devido a sua variedade de flora e clima, o que o torna mais nutritivo. A apicultura local está estabelecida e a comercialização do produto é feita em toda a região de abrangência do município e a IG pode fortalecer e ampliar o seu campo de abrangência, inclusive para atender as exigências do mercado externo, que é maior do que o local.


Palavras-chave


Apicultura; Arranjo Produtivo Local; Abelha Sem Ferrão

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. V. S. Inovação, competitividade e políticas públicas do arranjo produtivo local de sisal da Bahia. 2016. 146 f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional e Políticas Públicas) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2016.

AVENI, A. et. al. Potencial de Indicação Geográfica do mel na RIDE. Cadernos de Prospecção, v. 11, n. 5, p. 1792-1804, 2018. http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i5.27064.

BAHIA. Lei nº 11.961, de 28 de julho de 2010. Declara de utilidade pública a Associação dos Apicultores e Meliponicultores da Região Norte de Alagoinhas - APIMRNA, com sede e foro no município de Alagoinhas. Disponível em: https://bit.ly/3xFqL2e. Acesso em: 18 mar. 2022.

BATISTA JÚNIOR, J. L. Impacto econômico e social da apicultura na agricultura familiar do território do sisal, semiárido da Bahia. 2013. 56 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Zootecnia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativas à propriedade industrial. Disponível em: https://bit.ly/3qeFN9P. Acesso em: 11 mar. 2022.

______. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Instrução Normativa nº 11, de 20 de outubro de 2000. Disponível em: https://bit.ly/3tD8qCI. Acesso em: 16 mar. 2022.

BRUCH, K. L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, L. O.; BOFF, S. O.; DEL’OLMO, F. S. (org.). Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. 1. ed. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008.

CAMPOS, F. L. Populações rurais e herpetofauna de Alagoinhas-Bahia: quais motivações determinam atitudes de conservação e perseguição aos anfíbios e répteis? 2019. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Evolução) - Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3tPlcww. Acesso em: 18 mar. 2022.

CARPASSO, C. Piauí é o maior produtor de mel do Nordeste e o terceiro maior do Brasil, diz IBGE. cidadeverde.com. 17 out. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3G1nLA3. Acesso em: 16 mar. 2022.

CORREIA, M. C. N. Mel e cidadania: estudo comparativo sobre a produção cooperada do mel no Semiárido da Bahia e Norte de Portugal. 2013. 314 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional e Urbano) - Universidade Salvador, Salvador, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3lpsLXn. Acesso em: 14 mar. 2022.

DEMIER, A. D. M. Doces Matas do Norte de Minas: atores, instituições e a obtenção do registro de indicação geográfica do mel de aroeira. 2018. 135 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Ambiente e Território) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: https://bit.ly/32B4IhB. Acesso em 14 mar. 2022.

EDIRIWEERA, E. R.; PREMARATHNA, N. Y. Medicinal and cosmetic uses of Bee's Honey - A review. Ayu, v. 33, n. 2, p. 178–182, 2012. https://doi.org/10.4103/0974-8520.105233. Acesso em: 22 mar. 2022.

FERREIRA, T. S.; ASSIS, C. S. Os produtos apícolas: produção e características de identidade e qualidade do mel. In.: Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, n. 96, jun. 2020.

GELA, A. et al. Physico-chemical characteristics of honey produced by stingless bees (Meliponula beccarii) from West Showa zone of Oromia Region, Ethiopia. Heliyon, v. 7, n. 1, p. 1-7, 15 jan. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3df2RkC. Acesso em 18 mar. 2022.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

GORROI, G.; FREITAS, L. P. V.; ASSIS, D. C. S. Apicultura: o manejo das abelhas do gênero Apis. In.: Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, n. 96, jun. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS - IBGE. Cidades. Disponível em: https://bit.ly/3qzl9nL. Acesso em: 14 mar. 2022.

JESUS, M. C. et al. Caracterização botânica e avaliação potencial antimicrobiano do mel produzido por Apis mellifera L., Melipona scutellaris Latreille e Tetragonisca angustula Latreille (Hymenoptera: Apidae) em um fragmento de floresta ombrófila densa no estado da Bahia, Brasil. Paubrasília, v. 3, n. 2, p. 37-50, 2020. DOI: 10.33447/paubrasilia.v3i2.40. Disponível em: https://bit.ly/3roZgJ9. Acesso em: 14 mar. 2022.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOINHAS - PMA. Site oficial. Disponível em: https://bit.ly/3d90sbn. Acesso em: 16 mar. 2022.

REIS. L. L. M. Indicação Geográfica no Brasil: determinantes, limites e possibilidades. 2015. 270 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3o8i1OX. Acesso em: 14 mar. 2022.

SANTOS, M. Território e dinheiro. In.: Revista Geografia. Niterói: programa de pós-graduação em Geografia – PPGEO – UFF/AGB, v.1, n. 1, p. 7-13, 1999.

______. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Jabeiro: Record, 2011.

SILVA, R. G.; MARTINELLI, D. P. Arranjos Produtivos Locais (APL) e fatores formadores das dimensões do desenvolvimento local. Revista Organizações & Sociedade, [s.l.], v. 28, n. 96, p. 9-34, 2021.

VIDAL, M. F. Evolução da produção de mel na área de atuação do BNB. Caderno Setorial ETENE, ano 4, n. 62, jan. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3I6V8DA. Acesso em: 16 mar. 2022.

VILLAS-BÔAS, J. Manual tecnológico de aproveitamento integral dos produtores das abelhas nativas sem ferrão. Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). 2 ed. Brasil, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Com DOI por artigo.

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: