GEOGRAPHICAL INDICATION IN THE CONTEXT OF AGRICULTURAL PRODUCTION IN BRAZIL AND ITS POTENTIAL

Claudia Ferreira Fernandes, Cezar Augusto Miranda Guedes

Resumo


O artigo tem por objetivo analisar o tema das Indicações Geográficas (IG) no âmbito da Agricultura Familiar no sentido de entender o seu potencial catalizador para agregar valor aos produtos agroalimentares, permitindo acesso a novos nichos de mercado, e gerando a elevação de seu nível de renda. Busca-se apontar os benefícios da IG e refletir sobre seus principais desafios. A metodologia teve por base o levantamento e análise da literatura recente onde a pesquisa bibliográfica foi a principal fonte para o desenvolvimento do trabalho. A análise aponta para algumas fragilidades, mas há casos de êxito que indicam um futuro promissor na medida em que exista apoio de políticas efetivas euma constelação de atores favorável à coesão dos podutores e ao enfrentamento dos novos desafios após à obtenção da IG junto ao INPI.


Palavras-chave


Indicações Geográficas; Agricultura Familiar; Desenvolvimento Rural

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES). Suspensão do protocolo de pedidos de financiamento no âmbito de Programas Agropecuários do Governo Federal, para o Ano Agrícola 2021/2022. AVISO SUP/ADIG Nº 31/2021-BNDES, Rio de Janeiro, 19 ago. 2021. Disponível em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/instituicoes-financeiras-credenciadas/normas/normas-operacoes-indiretas. Acesso em: 23 ago. 2021.

BONACELLI, Maria Beatriz; FUK, Marcos Paulo; CASTRO, Ana Célia. O Sistema de Inovação Agrícola: Instituições, competências e desafios no contexto brasileiro. In: BUAINAIN, Antônio Márcio; BONACELLI, Maria Beatriz Machado; MENDES, Cássia Isabel Costa (org.). Propriedade Intelectual e Inovações na Agricultura. Rio de Janeiro: CNPq, FAPERJ, INCT/PPED, IdeiaD, 2015. cap. 3, p. 89-110. ISBN 9788557310001.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Ofcial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 maio 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em 27 jul. 2020.

BRUSH, Kelly Lissandra; VIEIRA, Adriana Carvalho Pinto. Glocal: A Indicação Geográfica como forma de proteção aos Conhecimentos Tradicionais. PIDCC, Aracaju, ano V, v. 10, n. 02, p. 91-107, 12 jul. 2016. Disponível em: https://www.pidcc.com.br. Acesso em: 30 abr. 2020.

CABRAL, Danièle Hervé Quaranta; PALOMINO, Marcos Eduardo Pizetta. A normativa brasileira de indicações geográficas e a possibilidade de alteração de registro no INPI. Indicações Geográfcas, Signos Coletivos e Desenvolvimento Local/Regional, RS, v. 2, p. 97-117, 2019.

CARNEIRO, Maria José e; MALUF, Renato S. Multifuncionalidade da Agricultura familiar. In: BOTELHO, Flávio Borges (org.). Agricultura Familiar e Desenvolvimento Territorial: Contribuições ao Debate. 17. ed. Brasilia: Universidade de Brasilia, Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares, Núcleo de Estudos Avançados., 2005. v. 5, cap. 2, p. 43-58. ISBN 0103.510X.

CAZELLA, Ademir A; BONNAL, Philippe; MALUF, Renato S. Olhares disciplinares sobre território e desenvolvimento territorial. In: Agricultura familiar: multifuncionalidade e desenvolvimento territorial no Brasil. Ademir A. Cazella, Philippe Bonnal e Renato S. Maluf (orgs). Rio de Janeiro: Mauad X, 2009. p.25-46.

CERDAN, C. Indicações geográficas e estratégias de desenvolvimento territorial. NIEDERLE, P. A. (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem dos mercados alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013. p. 125-150.

CERDAN, Claire Marie Thuillier; BRUCH, Kelly; VITROLLES, Delphine. Gestão e controle pós-reconhecimento das Indicações Geográficas. In: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (Brasil). Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no Agronegócio: Módulo II. 4. ed. Florianópolis: FUNJAN, 2014. cap. 7, p. 234-267. ISBN 978-85-7426-136-2.

DALLABRIDA, Valdir Roque. Do debate teórico sobre desenvolvimento territorial aos desafios de sua prática: A Indicação Geográfica como alternativa. Desenvolvimento territorial: políticas públicas brasileiras, experiências internacionais e a indicação geográfica como referência, São Paulo, ed. 1, p. 1-291, 2014. Disponível em: http://redeteg.org/livros/. Acesso em: 27 ago. 2020.

FAVARETO, Arilson. Um contraponto à tese da “argentinização” do desenvolvimento rural no Brasil. In: O mundo rural no Brasil do século XXI – a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Campinas/Brasília: IE- Unicamp/Embrapa, 2014.

FORBES. As 100 maiores empresas do agronegócio brasileiro em 2020. [S. l.], 21 mar. 2021. Disponível em: https://forbes.com.br/forbesagro/2021/03/as-100-maiores-empresas-do-agronegocio-brasileiro-em-2020/. Acesso em: 27 ago. 2021.

GRISA, Catia; GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio. A"produção invisível"na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicasde desenvolvimento rural. Agroalimentaria, vol.16, núm. 31, julio-diciembre, pp. 65-79 2010.

GUEDES, Cezar Augusto Miranda; SILVA, Maria Rocio. Agri-food geographical indications, policies, and social management: Argentina, Brazil, and the Spanish experience in the European context. Análise Social. Depósito de Investigación Universidad de Sevilla: Departamento de Geografía Humana, Sevilla, 2014, ed. Análise Social, XLIX (2), p. 408-429, 2014. Disponível em: https://idus.us.es/handle/11441/74237. Acesso em: 26 jul. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). In: CENSO AGRO 2017: Resultados Definitivos. [S. l.], outubro 2019. Disponível em: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017. Acesso em: 27 ago. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Brasil). Instrução Normativa nº 95, de 28 de dezembro de 2018. Estabelece as condições para o registro das Indicações Geográficas. Revista da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, n. 2504, 2 jan. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas/arquivos/legislacao-ig/INn095de2018.VersoocerizadaparaPortalINPI.pdf. Acesso em: 9 jun. 2021.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no Agronegócio: Módulo II, Indicação Geográfica. 4. ed. Florianópolis: MAPA, 2014. 415 p. ISBN 978-85-7426-136-2.

______. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Visão 2030: o futuro da agricultura brasileira. Brasília. Abril, 2018. Disponível em: . Acesso em: 7 out. 2020.

______. Mapa Interativo: Signos Distintivos Registrados e Produtos Potenciais. Brasília: [s. n.], 2020. Mapa. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica/mapa-interativo. Acesso em: 27 ago. 2021.

______. Estatísticas de comércio exterior do agronegócio brasileiro - AGROSTAT. Brasília, 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2021.

MOREIRA, Vagner R. Desenvolvimento Territorial e Direito de Propriedade Intelectual: um estudo dos casos da Denominação de Origem protegida Queijo Serra da Estrela e da Indicação de Procedência Queijo Minas Artesanal do Serro. 2016. 160 f. Tese (Doutorado em Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2016.

NIEDERLE, Paulo Andre, MASCARENHAS, Gilberto Carlos Cerqueira e WILKINSON, John. Governança e Institucionalização das Indicações Geográficas no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural [online]. 2017, v. 55, n. 1 [Acessado 23 agosto 2021], pp. 85-102. Disponível em: . ISSN 1806-9479.

PELLIN, Valdinho. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações (Campo Grande), MS, v. 20, n. 1, 21 mar. 2019. Artigos, p. 63-78. DOI https://doi.org/10.20435/inter.v20i1.1792. Disponível em: https://www.interacoes.ucdb.br/interacoes/article/view/1792. Acesso em: 27 jul. 2020.

PEREIRA, Mara Elena Bereta de Godoi; LOURENZANI, Ana Elisa Bressan Smith; BANKUTI, Sandra Mara Schiavi; PIGATTO, Giuliana Aparecida Santini. Coordenação na Agricultura Familiar e o Desenvolvimento Territorial: o caso das indicações geográficas para o café. Política & Sociedade: Revista de Sociologia Política, Florianópolis, v. 15, p. 138-171, 2016. DOI http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2016v15nesp1p131.

PEREIRA, Maria Helena de Bereta Godoi; LOURENZANI, Ana Elisa Bressan Smith; WATANABE, Kassia. Agricultura familiar e coordenação: o caso da indicação geográfica da mantiqueira de minas. Indicações Geográfcas, Signos Coletivos e Desenvolvimento Local/Regional, RS, v. 2, p. 319-347, 2019.

PEREZ, Carlota. É preciso usar bens naturais à luz da tecnologia da América Latina. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 nov. 2016. Seminários Folha, p. A1. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2016/11/1835724-e-preciso-usar-bens-naturais-a-luz-da-tecnologia-da-america-latina.shtml. Acesso em: 27 ago. 2021.

SCHMITT, C. J. e MALUF, R. S. (2010). Soberania e segurança alimentar no Mercosul Ampliado: o lugar da agricultura camponesa e familiar. In: Moreira, R. J. e Bruno, R. (orgs.). Interpretações, estudos rurais e política. R. Janeiro, EDUR/Mauad X, 133:155.

SCHNEIDER, Sérgio. A pluriatividade e o desenvolvimento rural brasileiro. In: BOTELHO, Flávio Borges (org.). Agricultura Familiar e Desenvolvimento Territorial: Contribuições ao Debate. 17. ed. Brasília: Universidade de Brasília, Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares, Núcleo de Estudos Avançados., 2005. v. 5, cap. 2, p. 23-42. ISBN 0103.510X.

SILVA, Julio Castro Alves de Lima e; PRADO, Luiz Carlos Delorme; TORRACCA, Julia Ferreira. UM NOVO OLHAR SOBRE UM ANTIGO DEBATE: A TESE DE PREBISCH-SINGER É, AINDA, VÁLIDA? Economia Aplicada, [s. l.], v. 20, ed. 2, p. 203-226, 2016.

SOBRINHO, Maria H. Facirolli, Indicação Geográfica como ferramenta do desenvolvimento territorial: O caso do café da Serra da Mantiqueira. 2019. 111f. Tese (doutorado em Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; RAMOS, A. M.; CHAVES, J. B. P. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, 2012, vol.42, n.3, pp.551-558. http://doi.org/10.1590/S0103-84782012000300027.

VALENTE, M.E.R.; PEREZ, R.; FERNANDES, L.R.M.V. O processo de reconhecimento das indicações geográfcas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação de área e diferenciação do produto. Revista Ciência Rural, Santa Maria, v.43, n.7, p. 1330-1336, jul. 2013. https://doi.org/10.1590/S0103-84782013005000076.

VIVERO-Pol, J.L. Alimentos como bens comuns: uma nova perspectiva sobre a narrativa do sistema alimentar. In: Correa, L. Ed. Diálogos sobre direito humano à alimentação adequada. Faculdade de Direito, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2018.

YUK, Yohana Vieira; FUCK, Marcos Paulo. Indicações Geográficas e Inovações: Um estudo de caso do Vale dos Vinhedos. Propriedade Intelectual e Inovações na Agricultura. Rio de Janeiro, p. 187-206, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Com DOI por artigo.

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: