TECHNOLOGICAL INNOVATION IN THE DAIRY SECTOR: DEVELOPING A BAR YOGHURT

Jucenir dos Santos, Ana Karla de Souza Abud, Tatiana Pacheco Nunes, Irinaldo Diniz Basilio Junior, Alessandra Almeida Castro Pagani

Resumo


O iogurte é o leite fermentado mais consumido no mundo, mas sua vida útil é relativamente curta se comparado a outros derivados lácteos. Assim, o objetivo deste trabalho foi desenvolver um iogurte em barra, pronto para consumo, sem necessidade de refrigeração, desde o transporte até consumidor final. Inicialmente foi desenvolvido o iogurte natural, após produção foi preparado 4 formulações: F1: Apenas os ingredientes provenientes da fermentação do iogurte; F2: ingredientes de F1, acrescida de 10% de maltodextrina; F3: ingredientes de F1, acrescida de 0,2% de lecitina e F4: ingredientes de F1, acrescida de 10% de maltodextrina e 0,2% de lecitina. Foi realizada a secagem de todas as formulações em liofilizador de bandeja por 48 horas. Em seguida, foram trituradas e moldadas em forma de barra. Foram realizadas as análises de rendimento, umidade, acidez titulável, pH, solubilidade e contagem de bactérias lácticas totais. Os resultados obtidos foram avaliados por análise de variância (ANOVA) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5 % de probabilidade, utilizando o software Sisvar. Houve diferença significativa (p<0,05) para todos os parâmetros avaliados, com exceção do pH. A adição de maltodextrina e lecitina nas formulações melhorou a solubilidade, mostrando efeito positivo na sua adição. Todas as formulações apresentaram contagem de bactérias lácticas superior a 107 UFC/g, podendo serem classificadas como iogurte. Assim, devido ao maior rendimento e melhor solubilidade, as formulações 2 e 4 são as mais indicadas para trabalhos futuros e produção em larga escala.


Palavras-chave


Leite Fermentado; Liofilização; Patente

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, E.; PRECI, D.; ZENI, J.; STEFFENS, C.; STEFFENS, J. Desenvolvimento de Frozen Yogurt de iogurte em pó de leite de ovelha. Revista Ceres, v. 65, n.1, p. 007-015, 2018.

ADITIVOS & INFREDIENTES. Lecitina emulsionante e lubrificante. Dossiê. 11f. 2021

AGAPITO, N; PRUDÊNCIO, E.S. Processo de armazenamento, transporte e distribuição de produtos em uma indústria de laticínios. In: XXVIII Encontro nacional de engenharia de produção A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2018.

AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Compendium of methods for the microbiological examination of food, 4. ed. Washington: APHA, 2001.

AMORIM, L.C.; CARLOS, M.C.; THEBAS, A.M.M. Prática medindo o teor de umidade de alimentos. Revista Univap. v. 22. n. 40. 2016.

BETANIA LACTEOS. Nossos Produtos. Disponível em:< https://www.betanialacteos.com.br/produtos >. Acesso em: 02/11/2019

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n°46 de 23 de outubro de 2007. Regulamento técnico de identidade e qualidade de leite fermentado. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 4, 24 out. 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n°53 de 01 de outubro de 2018. Regulamento técnico de identidade e qualidade de leite em pó e o leite em pó instantâneo destinados ao consumo humano, com exceção do leite destinado às formulações para lactantes e farmacêuticas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 11,12. 01 out. 2018.

GARCIA, L. P. Liofilização aplicada a alimentos. 2009. 45f. Trabalho Acadêmico (Graduação Bacharelado em Química de Alimentos) - Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, RS, 2009.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008. 1020 p.

KOÇ, B., SAKIN-YILMAZER, M.; KAYMAK-ERTEKIN, F.; BALKIR, P. Physical properties of yoghurt powder produced by spray drying. Food Science and Technology, V.55, p.1377-1383, 2014.

KRASAEKOOPT, W.; BHATIA, S. Production of Yogurt Powder Using Foam-Mat Drying. AU J.T. v.15, n.3, p.166-171, 2012.

MATOS, C.M.S.; JESUS, M.S.DE; SILVA, G.S.; NUNES, T.P.; PAGANI, A.A.C. Estudo da estabilidade físico-química e microscópica de iogurte natural liofilizado durante o armazenamento. In: Congresso Brasileiro de Sistemas Particulados, 2015, São Paulo. Anais do XXXVII ENEMP São Paulo: Universidade Federal de São Carlos/SP, 2015, p. 5.

MILKPOINT. Com apostas no mercado brasileiro e exterior, General Brands lança iogurte em pó. 2016. Disponível em:< https://www.milkpoint.com.br/noticias-e-mercado/giro-noticias/com-apostas-no-mercado-brasileiro-e-exterior-general-brands-lanca-iogurte-em-po-99552n.aspx>. Acesso em: 08/03/2021.

OLIVEIRA, F.M., LYRA, I.N., ESTEVES, G.S.G. Avaliação Microbiológica e Físico-Química de Iogurtes de Morango Industrializados e Comercializados no Município de Linhares-ES. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 15, n. 2, p. 147-155, 2013.

OLIVEIRA, M.N.; DAMIN, M.R. Efeito do teor de sódios e da concentração de sacarose na acidificação, firmeza e viabilidade de bactérias do iogurte e probioticos em leite fermentado. Ciência & Tecnologia de Alimentos, v.23, p. 172-176, 2003.

SANTOS, G.; NOGUEIRA, R.I.; ROSENTHAL, A. Powdered yoghurt produced by spray drying and freeze drying: a review. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 21, e2016127, 2018.

SANTOS, J. Estudo da estabilidade microbiológica e sensorial do iogurte liofilizado durante o armazenamento. 2017. 43f. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC de Engenharia de Aliementos). Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão-SE. 2017.

SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Iogurte, bebidas lácteas e doce de leite: produção de derivados do leite. 5º ed. Brasília: SENAR, 2015.

VISSOTTO, F.Z; MONTENEGRO, F.M; SANTOS, J.M; OLIVEIRA, S.J.R. Avaliação da influência dos processos de lecitinação e de aglomeração nas propriedades físicas de achocolatado em pó. Ciência & Tecnologia Alimentos, v. 26, n. 3, p. 666-671, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Com DOI por artigo.

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: