Indicação Geográfica e o Desenvolvimento Regional do Baixo São Francisco Sergipano

Denise Lemos Garcia, Dimitrius Pablo Sabino Lima de Miranda, José Pereira Mascarenhas Bisneto, Renata Silva Mann

Resumo


A indicação geográfica visa de forma especial à proteção de produtos, promovendo o desenvolvimento regional. O objetivo desse trabalho foi o de apresentar perspectivas para a indicação geográfica e os benefícios desta no desenvolvimento regional do Baixo São Francisco sergipano. Foram identificadas as principais características intrínsecas existentes na cartografia geográfica do Baixo São Francisco sergipano que têm possibilitado o desenvolvimento regional e especificidades locais que contribuem para os produtos distintos que podem ser obtidos nesta região, possam contribuir para a denominação de origem. A base teórica consiste na abordagem sobre o desenvolvimento regionalizado e a importância da geografia nesse contexto. Utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliométrica na forma de dados secundários, com as técnicas descritiva e explicativa. Foram evidenciados aspectos distintos quanto às mudanças socioeconômicas e culturais provenientes da modificação do padrão mundial adotado para o consumo, da competitividade e das questões relacionadas com o desenvolvimento regional na região. Identificou-se o extrativismo da aroeira e sua cadeia produtiva como atividade que corrobora para reforçar a possibilidade de denominação de origem, e as distinções locais que podem promover neste produto atributos de qualidade e especificidade.


Palavras-chave


Denominação de Origem; Pimenta-Rosa; Cadeia Produtiva

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES-CARVALHO, S. V.; SILVA-MANN, R.; GOIS, I. B.; MELO, M. F.V., OLIVEIRA A. S.; FERREIRA, R. A.; GOMES, L. J. Restoration over time and sustainability of Schinus terebinthifolius Raddi. Genetic Molecular Research, v.16, n. 2, p.1-9, 2017.

ALVES, N. M. de S.; FONTES, A. L.; SILVA, D. B. da; ALMEIDA, J. A. P. Dinâmica geoambiental, processos morfodinâmicos e uso das terras em Brejo Grande, Baixo São Francisco – Sergipe. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.11, n. 2, p.91-102, 2010.

BOECHAT, A. M. F.; ALVES, Y. B. O uso da indicação geográfica para o desenvolvimento regional: o caso da carne do pampa gaúcho. Anais Eletrônico. VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar, Centro Universitário de Maringá, Maringá, PR.

BRASIL. Resolução nº 32, de 15 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

______. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2007. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

_______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2008.

_______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Indicação Geográfica. Disponível em:. . Acesso 17 de mar. de 18.

CASADO, A. P. B.; HOLANDA, F. S. R.; ARAUJO FILHO, F. A. G.; YAGUIU, P. Evolução do processo erosivo na margem direita do rio São Francisco (Perímetro Irrigado Cotinguiba/Pindoba - SE). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 26, n.1, 2002.

CAVALCANTE, L. R. M. T. Produção teórica em economia regional: uma proposta de sistematização. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 2, n. 1, p. 9-32, 2008.

CERUKS, M.; ROMOFF, P.; FÁVERO, O. A.; LAGO, J. H. G. Constituíntes fenólicos polares de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaceae). Quimica Nova, v. 30, n. 3, p. 597-599, 2007.

CÔRREA, G. B. A Proteção Legal das Indicações Geográficas. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado na PUC do Rio Grande do Sul. 2006. Disponível em Acesso em 12 de setembro de 2014.

DEGÁSPARI, C. H.; WASZCZYNSKYJ, N. Propriedades antioxidantes de compostos fenólicos. Visão Acadêmica, v. 5, n. 1, p. 33-40, 2004.

DEGÁSPARI, C. H.; WASZCZYNSKYJ, N.; PRADO, M. R. M. Atividade antimicrobiana de Schinus terebenthifolius Raddi. Ciência Agrotécnica, v.29, n.3, p.617-622, 2005.

DULLIUS, P. R. Indicações geográficas para o desenvolvimento territorial: as experiências do Rio Grande do Sul. 2009. 148 f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

ESTEVES, J. C. B. Desenvolvimento rural e subdesenvolvimento econômico no Baixo São Francisco sergipano. 2012. 107 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

GARRASTAZU, M.; MATTOS, P. (2013). MODELAGEM E DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA. In: L. Gomes, R. Silva-Mann, P. Mattos and A. Rabbani, ed., Pensando a biodiversidade: aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi.), 1ª ed. [online] São Cristóvão: editora UFS, pp.21-31. Available at: http://docs.wixstatic.com/ugd/609f7a_87bfd3e93d243609cec1ada23414b77f.pdf [Accessed 27 Jun. 2018].

GEBRIM, S. Indicação geográfica valoriza produtos agropecuários. MAPA. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

GODINHO, A. L.; GODINHO, H. P. Breve visão do São Francisco, pp. 15-24. 2003. In: H. P. GODINHO, A. L.; GODINHO, H. P. Águas, peixes e pescas no São Francisco das Minas Gerais. CNPq/PADCT, Editora PUC Minas, Belo Horizonte, MG, 460p.

GOIS, I. B., FERREIRA, R. A.; SILVA-MANN, R.; BLANK, M. F. A.; SANTOS NETO, E. M. Diversidade genética entre indivíduos de Spondias lutea L. procedentes do Baixo São Francisco sergipano, por meio de marcadores RAPD. Revista Árvore [online], v. 38, n. 2, pp.261-270, 2014.

GONÇALVES, M. F. W. Propriedade Industrial e a proteção dos nomes geográficos. 1. ed. Curitiba: Juruá Editora, 2008.

GOMES, M. D. G. et al. Extrativismo e comercialização da aroeira (SchinusterebinthifoliusRaddi) na região do Baixo São Francisco. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 43., 2005, Ribeirão Preto.Anais... Ribeirão Preto, 2005. p. 1-14

GONCALVES, L.O.; PINHEIRO, J.B.; ZUCCHI,M.I.; SILVA-MANN, R. Genetic characterization ofthe coral tree (Erythrina velutina Willd.) in areas of low occurrence. Revista Ciência Agronômica, v.45, n.2, p.290-298, 2014.

HOLANDA, F. S. R.; SANTOS, L. C. G.; ARAÚJO FILHO, R. N.; PEDROTTI, A.; GOMES, L. J.; SANTOS, T. O.; CONCEIÇÃO, F. G. Percepção dos ribeirinhos sobre a erosão marginal e a retirada da mata ciliar do Rio São Francisco no seu baixo curso. Ra’e Ga, v. 22, p. 219-237, 2011.

HOLANDA, F. S. R.; VIEIRA, T. R. S.; ARAÚJO FILHO, R. N.; SANTOS, T. O.; ANDRADE, K. V. S.; CONCEIÇÃO, F. G. Propagation through cutting technique of species ocurring in the Lower São Francisco River in Sergipe State with different concentrations of indolbutiric acid. Revista Árvore [online]. 2012, vol.36, n.1 [cited 2018-06-26], pp.75-82.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. IPEA. A década inclusiva (2001-2011): desigualdade, pobreza e políticas de renda. Brasília, 2014. (Comunicado Ipea, n. 155). Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

JESUS, N. B.; GOMES, L. J. Conflitos socioambientais no extrativismo da aroeira (Schinus terebebinthifolius Raddi), Baixo São Francisco - Sergipe/Alagoas. Ambiente e Sociedade. [online]. 2012, vol.15, n.3 [cited 2018-06-27], pp.55-73. Available from: . ISSN 1809-4422. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2012000300005.

JUNGMANN, D. M.; BONETTI, E. A. Inovação e propriedade intelectual: guia para o docente. Brasília: SENAI, 2010.

KAKUTA, S. M. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre: Sebrae/RS, 2006.

LEDO, A. S.; SILVA JÚNIOR, J. F.; LEDO, C. A. S.; SILVA, S. O. Avaliação de genótipos de bananeira na região do Baixo São Francisco, Sergipe. Revista Brasileira de Fruticultura, v.30, p.691-695, 2008.

MADUREIRA, E. M. P. Desenvolvimento regional: principais teorias. Revista Thêma et Scientia, v. 5, n. 2, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

MOURA, D. C.; SCHLINDWEIN, C. Mata Ciliar do Rio São Francisco como biocorredor para Euglossini (Hymenoptera, Apidae) de Florestas Tropicais Úmidas. Neotropical Entomology, 38:281-284, 2009.

NASCIMENTO, M. C. Relatório técnico da campanha de avaliação das mudanças socioambientais decorrentes da regularização das vazões no Baixo Rio São Francisco. Maceió: CBHFS, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

RABBANI, A. R. C.; SILVA-MANN, R.; FERREIRA, R. A.Variabilidade genética deGenipa americanaL. pertencenteao Baixo Curso do Rio São Francisco. Revista Árvore, v. 36, n. 3, p. 401-409, 2012.

RIBAS, M. O.; SOUSA, M. H.; SARTORETTO, J.; LANZONI, T. A.; NORONHA L.; ACRA L. A. Efeito da Schinus terebinthifolius Raddi sobre o processo de reparo tecidual das lesões ulceradas induzidas na mucosa bucal do rato. Revista Odonto Ciência, v. 21, p. 245-52, 2006.

RIPPEL, R. Os encadeamentos produtivos de um complexo agroindustrial: um estudo de caso da Frigobras-Sadia de Toledo e das empresas comunitárias. 1995. 120 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 1995.

SANTANA, G.C.; SILVA-MANN, R.; FERREIRA, R.A.; GOIS, I.B.; OLIVEIRA, A.S.; BOARI, A.A.J.; CARVALHO, S.V.A. Diversidade genética de Enterolobium contortisiliquum (vell.) morong. no baixo rio são francisco, por meio de marcadores rapd. Revista Árvore, 32(3):427- 433(2008).

SOARES, D. G. S.; OLIVEIRA, C. B.; LEAL, C.; DRUMOND, M. R. S.; PADILHA, W. W. N. Atividade Antibacteriana in vitro da Tintura de Aroeira (Schinus terebinthifolius) na Descontaminação de Escovas Dentais Contaminadas pelo S. mutans. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, v. 7, n. 3, p. 253-257, 2007.

SOUZA, D. C. L.; SILVA-MANN, R.; FERREIRA,R. A; GOMES, L. J.; ALMEIDA, T.S.; OLIVEIRA, A. S; PEREIRA, G. S.; GOIS, I. B. Produção defrutos e características morfofisiológicas de Schinus terebinthifolius Raddi., na região do baixo São Francisco, Brasil. Revista Árvore, v.37, n.5, p.923-932, 2013

VARGAS, I. C. S. Indicações geográficas do Brasil: possibilidades para os produtores inseridos na área de proteção ambiental do Ibirapuitã, RS. 2008. 115f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2008.

VASCONCELLOS, M. A.; GARCIA, M. E. Fundamentos de economia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

VELLOSO, C.Q. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 166f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, SC.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. DL 101 General course on intellectual property – session 2, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br