GEOGRAPHICAL INDICATION AND TERRITORIAL DEVELOPMENT: A STUDY ON THE CASE OF THE OPAL GEN IN PEDRO II IN PIAUI

Libni Milhomem Sousa, Mário Jorge Campos dos Santos

Resumo


 

Na arena da construção de um desenvolvimento social, político e econômico de uma região o conceito de Desenvolvimento Territorial torna-se necessário para a compreensão desse fenômeno. Em contrapartida, esta mesma sociedade é marcada pelo pleno exercício de suas práticas laborais e de produção. Nesse sentido, carece de um instrumento de proteção legal, para garantir a originalidade e a certeza local de origem de um produto ou serviço.  Assim, surge a compreensão sobre Indicação Geográfica. Nesse contexto, a partir da necessidade de proteção da produção oriunda da cultura local, por intermédio dos direitos relativos à propriedade industrial, a proposta de estudo do presente artigo foi mapear a relação da experiência da Indicação Geográfica de Procedência da Opala de Pedro II com desenvolvimento territorial local. Constituiu numa pesquisa de abordagem qualitativa, através do método estudo de caso, apresentando como fonte de dados, artigos, livros, relatórios técnicos, visita in loco e entrevista com sujeitos envolvidos com a lapidação e comercialização da opala. Como considerações finais, verificou -se que a experiência da solicitação de uma Indicação Geográfica para a opala de Pedro II, permitiu além da organização do setor, o crescimento da região, através do desenvolvimento da cadeia produtiva da opala, possibilitando o fortalecimento da economia local.


Palavras-chave


Território; Indicação Geográfica; Procedência; Desenvolvimento Territorial

Texto completo:

PDF

Referências


BARQUERO, V. A. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio módulo II: indicação geográfica. 2.ed. Brasília: MAPA, 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2020.

BECKER, B. K. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 12, p. 135-59, set. 2001.

BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. 4. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CENTRO DE TECNOLOGIA MINERAL- CETEM. Disponível em www.cetem.gov.br/noticias/cetem%20midia/not.site.mct.11.08.05.html. Acessado em jan. 2020

CERDAN, C. M. T.; BRUCH, K. L.; SILVA, A, L.; COPETTI, M.; FÁVERO, K. C.; LOCATELLI, L. Indicação geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. In: PIMENTEL, L. O. (Org.). Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio. 4. ed. Florianópolis, SC: FUNJAB, 2014. Módulo II – Indicação Geográfica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 415p.

DALLABRIDA, V.R. Significa Territórios como Estratégia de Diferenciação: Aportes Teóricos e metodológicos. Caderno de Geografia, v.30, n.60, p.196-2013, 2020.

______. Teorias do Desenvolvimento: aproximações teóricas que tentam explicar as possibilidades e desafios quanto ao desenvolvimento de lugares, regiões, territórios ou países. São Paulo: LiberArs, 2017.

DENCKER, Ada de Freitas Manetti. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Turismo. São

Paulo: Editora Futura: 2003.

DUPIM, L. C. - Indicações geográficas e desenvolvimento local: estudo exploratório e comparativo das indicações geográficas Vale dos Vinhedos, Região do Cerrado Mineiro e Paraty. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Economia, Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento, 2015.

FISCHER, T. Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teóricos e avalição. Salvador, BA: Casa da Qualidade, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Instrução normativa nº 25 de 21 agosto de 2013: estabelece as condições de registro das indicações geográficas. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2020.

IRVING, M. A. Turismo como instrumento para desenvolvimento local: entre a potencialidade e a utopia. In: D’AVILA NETO, M. I.; PEDRO, R. M. L. R. (Org.). Tecendo o desenvolvimento. Rio de Janeiro: MAUAD/ Bapera, 2003. p. 167-84.

KAKUTA, S. M. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre, RS: SEBRAE/RS, 2006.

Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em: 28 jan. 2020.

LIMA, F. D.; GIESBRECHT, H. O.; LIMA, S. U. de. Indicação geográfica: agregação de valor aos produtos amazônicos. T&C Amazônia, ano 5, n.11, p.42-48, jun. 2007.

NIERDELI, P. A. Indicações geográficas e processos de qualificação nos mercados agroalimentares.In: NIEDERLE, P. A. (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Porto Alegre: UFRGS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2013, v. 1,p. 23-53.

SAQUET, Marcos. Por uma Geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. Rio de Janeiro: Editora Consequência, 2015.

SENRA, K.V. Desenvolvimento e território. Pesquisa exploratória sobre políticas e instituições para Desenvolvimento Econômico Territorial – DET. O Caso do Brasil. Santiago, Chile: CEPALILPES/ GTZ, Versão Preliminar, julho de 2007.

SOUZA, C. M. M.; THEIS, I. M. Desenvolvimento regional: abordagens contemporâneas. Blumenau, SC: Edifurb, 2009.

VALENTE, M. E. R. at al. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, v.43, n.7, p.1330-1336, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: