POTENTIAL STUDY OF INDUSTRIAL PROTECTION TO AGROEXTRACTIVE PRODUCTS: THE CASE OF BOA ESPERANÇA COMMUNITY TAPIOCA FLOUR, IN SANTARÉM-PA

Giselly Lenise de Souza Vieira, Antonio do Socorro Ferreira Pinheiro

Resumo


A farinha de tapioca é oriunda de fécula extraída da mandioca, é um alimento largamente produzido   no Norte e Nordeste brasileiro. O objetivo do trabalho visou o levantamento em base de dados como Scielo, Capes e o software Orbit a fim de nortear a potencialidade e perspectivas da Proteção Industrial Indicação de Procedência, e Patentes, para o Produto da comunidade Boa Esperança-Santarém, a de farinha de tapioca produzida em larga escala na região Oeste do Pará. Com base nos resultados não existem indicações de procedência para locais que produzem a tapioca em grão, e poucas patentes vinculadas ao processo produtivo. Assim visualiza-se a necessidade de políticas para valorizar o saber tradicional, e uma maior interação do setor público, privado e comunidade para intermediar o pedido de reconhecimento como o da Indicação Geográfica, para potencialização do processo produtivo local.

Palavras-chave


Indicação Geográfica; Farinha de Tapioca; Comunidade de Boa Esperança

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S.C.; DÖRR, A.C.; GUSE, J.C.; ROSSATO, M.V.; SIDALI, K.L.; MARCHESE,

A.Enfoque à Legislação Brasileira e Europeia sobre a Indicação Geográfica. REGET -v. 18.

Ed. Especial Mai. 2014, p. 47-56.

ANJOS, F. S.; CRIADO, E. A.; CALDAS, N. V. Indicações geográficas e desenvolvimento

territorial: um diálogo entre a realidade europeia e brasileira. Revista de Ciências Sociais, vol. 56,

n. 1, p. 207-233, 2013.

ARAÚJO, V. M. R. H. A patente como ferramenta de informação. Ciência da Informação, v. 10,

n. 2, 1981.

AUSPIN/USP –Agencia USP de Inovação. SOUZA, M.A.; MURAKAWA, L. S G. Guia Prático I

- Introdução à Propriedade Intelectual. São Paulo: Universidade de São Paulo/ Agencia USP de

Inovação – AUSPIN/USP, 2016.

BERTOZZI, L. Designations of origin: quality and specification. Food Quality and Preferences,

v.6, p.143-147, 1995.

BRASIL. Lei 9.279 de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à

propriedade industrial. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%209.279%2C%

DE%2014,obriga%C3%A7%C3%B5es%20relativos%20%C3%A0%20propriedade%20industria

l.&text=Art.,obriga%C3%A7%C3%B5es%20relativos%20%C3%A0%20propriedade%20industrial

.> . Acesso em: 25 jun. 2020.

CARDIERI, M.I.N. Impactos da Indicação Geográfica na Sustentabilidade Regional: estudo de

caso na Região de Salinas. Dissertação(Mestrado)- Universidade Federal de Santa Cantarina,

Florianópolis/SC, 2013.

CERDAN, C. Indicações geográficas e estratégias de desenvolvimento territorial. In:

NIERDELE, Paulo André (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados

alimentares. Porto Alegre: UFRGS, 2013. p. 125 – 150.

COSTA, A.C.M.; LIMA, N.N.; GASPARIN, E. Identificação e caracterização das unidades

produtoras de farinha de mandioca na comunidade de Boa Esperança, Santarém, PA. Rev.

Ext. Integrac. Amaz, Santarém-Pará, v. 01, n. 02, 2019.

CRUZ, C.A.B.; SILVA, A.L.S.; MENESES, T.S.C.; RIBEIRO, M.J.B.; SANTOS, M.J.C.

Inovações produzidas na Região Norte: um mapeamento da propriedade intelectual através

do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Revista GEINTEC – ISSN: 2237-0722.

São Cristóvão/SE – 2016. Vol. 6/n. 4/ p.3515-3526.

DUTRA, D.M.R. Ações públicas e privadas na implantação e desenvolvimento de da indicação

geográfica do café em Minas Gerais: evolução e perspectivas das iniciativas na visão de seus

gestores. Dissertação(Mestrado)- Universidade de Lavras, Minas Gerais, 2009.

ESTEVAM, V.; VIEIRA, A.C.P.; ZILLI, J. C.; SCHNEIDER, M. D.; SANTOS, G. S. Governança

territorial e indicação geográfica: contribuições da Universidade do Extremo Sul Catarinense -

UNESC. In: XVI Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão, 2016, Caxias

do Sul - RS. Anais. XVI Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão.

Caxias do Sul - SC: UCS, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GONÇALVES, L.A.S.; ALMEIDA, B.A.; BASTOS, E.M.S. Panorama das Indicações

Geográficas no Brasil. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE - Ano XX – V. 3 - N. 41 –

Dezembro de 2018 - Salvador, BA – p. 130 – 144.

GLASS, R. F; CASTRO, A. M. G. As indicações geográficas como estratégia mercadológica

para vinhos. Rev.Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 10, n. 2, p. 189-202, 2008.

INPIa – Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Guia básico - indicação geográfica. 2019.

Disponível em:< https://www.gov.br/inpi/pt-br/assuntos/indicacoes-geograficas>. Acesso em: 27

jun. 2020.

INPIb – Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Guia das indicação geográfica- Registro &

Alterações.2019. Disponível em:< https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Guiadas-IGs-Registro-Interativo.pdf>>. Acesso em: 27 jun. 2020.

MAIORKI, G.J. & DALLABRIDA, V.R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Rev. INTERAÇÕES, Campo Grande, v.

, n. 1, p. 13-25, jan./jun. 2015.

PELLIN, V. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais

atores e suas metodologias de trabalho. Rev. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. 1, p. 63-78,

jan./mar. 2019.

PEREIRA, L.K. O processo de valorização de produtos alimentícios através das denominações de origem e qualidade: uma abordagem de gestão do conhecimento. 2001. 167f. Dissertação

(Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, SC.

PEREIRA, F.C. & MELLO, J.M.C. Depósitos de Patentes de Universidades Brasileiras na base do INPI.XXXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção: Perspectivas Globais para a

Engenharia de Produção, Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Rio Grande do Sul: Feevale, 2013.

SECTI-Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação. Boletim de Indicadores em Ciência, Tecnologia e Inovação atividades de patenteamento no Brasil e no Estado de

Pernambuco. Disponível em:< http://www.secti.pe.gov.br/wpcontent/uploads/2016/03/Boletim_Patentes.pdf> acesso em 28 set., 2020.

SILVA, A.R.P. Indicações Geográficas e Estratégia Territorial Competitiva: Estudo Comparado

Brasil x Espanha. Tese (Doutorado) apresentada a Universidade Federal de Uberlândia, Minas

Gerais, 2014.

SILVA, D.W.; HERNESTRO, G. N.; AGUILARVILDOSO, C. I; ROMANO, M. L. P.; CHAVES,

E.S. Conservação da agrobiodiversidade em tempos de mudanças nos sistemas agrícolas

tradicionais: reflexões a partir das práticas de cultivo de mandioca na comunidade Boa Esperança,

Santarém, Pará. Cadernos de Agroecologia – ISSN 2236-7934 – Anais do VI CLAA, X CBA e V

SEMDF – Vol. 13, N° 1, Jul. 2018.

SILVA, L. N. Indicação Geográfica como estratégia de gestão do agronegócio–Dissertação

(Mestrado) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016.

SILVA, P.A. Estudo do processamento e da qualidade física, físico-química e sensorial da

farinha de tapioca. Dissertação(Mestrado), Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

SILVA, P.A.; MEL0, W. S., CUNHA, R. L., CUNHA, E. F. M., LOPES, A. S.; PENA, R. S.

Caracterização de farinhas de tapioca comerciais produzidas no Estado do Pará. In: Congresso

Brasileiro de Engenharia Química, 19, 2012, Búzios. Anais. Associação Brasileira de Engenharia

Química, 2012.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; Ramos, A.M. Chaves, J.B.P. Indicação geográfica de

alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Rev. Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.3,

p. 551-558, mar. 2012.

VIEIRA, A. C.; PELLIN, V. As Indicações Geográficas Como Estratégia Para Fortalecer o

Território – O Caso da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Rev. Desenvolvimento

em questão, Editora Unijuí, ano 13, n. 30, abr./jun. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: