PROSPECTIVE STUDY OF FOOD AND PREBIOTIC INGREDIENTS PATENTS

Maria Geovania D silva, Ana Karla de Souza Abud

Resumo


A conscientização dos consumidores quanto aos hábitos de uma vida saudável tem contribuído para o aumento da demanda por alimentos que promovem benefícios específicos à saúde, dentre os quais os alimentos e ingredientes prebióticos. Este trabalho busca mapear as patentes relacionadas aos alimentos e ingredientes prebióticos para entender a dinâmica da propriedade intelectual, bem como delimitar e identificar as tendências tecnológicas deste segmento. A busca dos documentos patentários foi realizada a partir do software Orbit, tendo como estratégia de busca palavras-chave e principais classificações tecnológicas (A23L, A23C, A23G, C08B, C12N). Foram encontradas 13.939 patentes no âmbito mundial e 245 no Brasil. A análise dos resultados identificou contínuo crescimento de tecnologias voltadas para o desenvolvimento de alimentos e ingredientes prebióticos em nível internacional, apontando a China como país que mais depositou pedidos de patentes. Todavia, a detentora global dessa tecnologia é a empresa Nestec, subsidiária da Nestlé, importante multinacional do ramo alimentício. No Brasil, os maiores depositantes são as instituições de pesquisa. Por se mostrar ainda incipiente, a tecnologia em estudo possui grandes perspectivas e potencial para a geração de inúmeras oportunidades a serem exploradas para o fortalecimento da indústria alimentícia. 

Palavras-chave


Patentes; Prebióticos; Ingredientes; Prospecção Tecnológica

Texto completo:

PDF

Referências


AHUJA, K.; MAMTANI, K. Prebiotics market size to exceed $7.2bn by 2024. [23 de agosto, 2019]. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

BINDELS, L.B; DELZENNE, N.M; CANI, P.D; WALTER, J. Opinion: Towards a more comprehensive concept for prebiotics. Nature Reviews Gastroenterology and Hepatology, v. 12, n. 5, p. 303–310, 2015.

GHESTI, G. F. Tutorial de busca nos principais bancos de patentes. Brasília: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT, UnB, 2016. Disponível em: < http://www.cdt.unb.br/pdf/programaseprojetos/nupitec/LIVRO-BANCO%20DE%20PATENTES.compressed.pdf >. Acesso em: 19 jul. 2017.

INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2020.

KOLEVA, P. T.; VALCHEVA, R. S.; SUN, X.; GÄNZLE, M.G.; DIELEMAN, L.A. Inulin and fructo-oligosaccharides have divergent effects on colitis and commensal microbiota in HLA-B27 transgenic rats. British Journal of Nutrition, v. 108, n. 9, p. 1633-1643, 2012.

LAURIDSEN, K. New use of polydextrose in edible products, edible products. International Patent Cooperation Treaty, Number WO 2004/075664A1, 2004.

LOMAX, A. R.; CALDER, P. C. Prebiotics, immune function, infection and inflammation: a review of the evidence. British Journal of Nutrition, v. 101, n. 5, p. 633-658, 2009.

MACEDO, L. L.; VIMERCATI, W. C.; ARAÚJO, C. DA S. Fruto-oligossacarídeos: aspectos nutricionais, tecnológicos e sensoriais. Brazilian Journal of Food Technology, v. 23, p. 1–9, 2020.

NESTLE. Disponível em: . Acesso em 13 abr. 2020.

NUTRICIA. Disponível em: . Acesso em 14 abr. 2020.

PATEL, S.; GOYAL, A. The current trends and future perspectives of prebiotics research: a review. 3 Biotech, v. 2, p. 115-125, 2012.

PIRES, E. A.; FERREIRA, M. A.; VIEIRA, R. B.; BARBOSA, C. A.; SANTOS, F. L. Perfil dos documentos de patente referentes a tecnologias e produtos probióticos, prebióticos e simbióticos na América Latina. Cadernos de Prospecção, v. 8, n. 1, p. 142-149, 2015.

REIS, J. M. C.; PINHEIRO, M. F.; OTI, A. T.; FEITOSA-JUNIOR, D. J. S.; PANTOJA, M. S.; BARROS, R. S. M. Informação tecnológica relacionada aos pré e probióticos com base no registro das patentes: O que há de novo? ABCD Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, v. 29, n. 4, p. 279–281, 2016.

ROBERFROID, M. B; LOO, J. V; GIBSON, G.R. The bifidogenic nature of chicory inulin and its hydrolysis products. Journal of Nutrition, v. 128, n. 1, p. 11-19, 1998.

SABATER, C.; PRODANOV, M.; OLANO, A.; CORZO, N., MONTILLA, A. Quantification of prebiotics in commercial infant formulas. Food Chemistry, v. 194, p. 6–11, 2016.

SANTOS, F. L.; FERREIRA, M. A.; PIRES, E. A.; OLIVEIRA, F. S.; SILVA, C. F. G.; VIEIRA, R. B. Análise das patentes de tecnologias relacionadas aos probióticos, prebióticos e simbióticos no Brasil. Brazilian Journal of Food Technology, v. 17, n. 3, p. 252–258, 2014.

SCHMIDT, C. M.; BALINGER, F.; CONRAD, J.; BEIFUSS, U.; HINRICHS, J. Enzymatic generation of lactulose in sweet and acid whey: Optimization of feed composition and structural elucidation of 1-lactulose. Food Chemistry, v. 305, p. 125481, 2020.

SHOAIB, M.; SHEHZAD, A.; OMAR, M.; RAKHA, A.; RAZA, H.; SHARIF, H. R.; SHAKEEL, A.; ANSARI, A.; NIAZI, S. Inulin: Properties, health benefits and food applications. Carbohydrate Polymers, v. 147, p. 444–454, 2016.

SITANGGANG, A. B.; DREWS, A.; KRAUME, M. Recent advances on prebiotic lactulose production. World Journal of Microbiology and Biotechnology, v. 32, n. 9, p. 1-10, 2016.

SLAVIN, J. Fiber and prebiotics: Mechanisms and health benefits. Nutrients, v. 5, p. 1417-1435, 2013.

TIENSE SUIKERRAFFINADERIJ. Disponível em . Acesso em: 10 abr. 2020.

USP – Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2020.

VÁZQUEZ, M. J.; GARROTE, G.; ALONSO, J. L.; DOMÍNGUEZ, H.; PARAJÓ, J. C. Refining of autohydrolysis liquors for manufacturing xylooligosaccharides: evaluation of operational strategies. Bioresource Technology, v. 96, n. 8, p. 889-896, 2005.

WILSON, B.; WHELAN, K. Prebiotic inulin-type fructans and galacto-oligosaccharides: definition, specificity, function, and application in gastrointestinal disorders. Journal of Gastroenterology and Hepatology, v. 32, p. 64–68, 2017.

ZIOLKOWSKA, R. J. Prospective technologies, feedstocks and market innovations for ethanol and biodiesel production in the US. Biotechnology Reports, v. l 4, p. 94-98. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: