SUSTAINABLE DEVELOPMENT AND THE GEOGRAPHICAL INDICATION OF AGROFLORESTAL COCOA IN TOMÉ-AÇU/PA.

Cinthya de Cassia Pereira Lima, Agnes de Souza Costa, Amanda Rodrigues de Lima, Jeferson de Lima Vieira

Resumo


As incertezas relacionadas à procedência dos alimentos buscam alternativas que garantam a qualidade do produto ao consumidor e as Indicações Geográficas se encaixam como uma alternativa para dar essa garantia. A Indicação Geográfica também pode auxiliar na corrida ao Desenvolvimento Sustentável, visto que os produtos passam por uma rígida fiscalização para obter e utilizar o selo. O presente estudo teve como objetivo analisar as vantagens sociais, ambientais e econômicos que a IG do cacau de Tomé-Açu trouxe para o município, e suas particularidades na produção. A pesquisa é classificada como exploratória e qualitativa. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica acerca do tema da pesquisa e entrevista com o Sr. Yasuhiro Onish (vice-presidente da Associação Cultural e fomento agrícola de Tomé-Açu) e Fabiano Soares (analista técnico do Sebrae no estado do Pará e gestor do projeto de Indicação Geográfica de Tomé-Açu). Conclui-se que o cacau de Tomé-Açu recebeu o selo de IG principalmente pelo modo de cultivo sustentável exclusivo da Amazônia, que beneficia em muitos aspectos a comunidade local e os clientes. 

Palavras-chave


Indicação Geográfica; Desenvolvimento Sustentável; Cacau; Tomé-Açu

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Rodrigo Cortes. A sustentabilidade como estratégia de valorização imobiliária em Salvador. Monografia (Pós Graduação em Gestão Ambiental em Municípios) – Pólo UAB do Município de Mata de São João/Bahia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR – Câmpus Medianeira. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br:8080/jspui/bitstream/1/4650/1/MD_GAMUNI_2014_2_94.pdf. Acesso em 12 de junho de 2020.

ALMEIDA, Sabrina Cantarelli et al. Enfoque à Legislação Brasileira e Europeia sobre a Indicação Geográfica. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental-REGET, v. 18, p. 47-56, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/276244944_ENFOQUE_A_LEGISLACAO_BRASILEIRA_E_EUROPEIA_SOBRE_A_INDICACAO_GEOGRAFICA. Acesso em 12 de junho de 2020.

ASSAD, Maria Leonor Lopes; ALMEIDA, Jalcione. Agricultura e sustentabilidade. Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 29, p. 15-30, jul./dez. 2004. Disponível em: https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consulta/busca?b=ad&id=311543&biblioteca=vazio&busca=assunto:Agricultura&qFacets=assunto:Agricultura&sort=&paginacao=t&paginaAtual=257. Acesso em: 12 de junho de 2012.

BARBOSA, Gisele Silva. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, v. 4, n. 1, p. 1-11, 2008. Disponível em: http://files.gtsustentabilidade.webnode.com/200000055-d44dfd5476/4ed_O_Desafio_Do_Desenvolvimento_Sustentavel_Gisele.pdf. Acesso em: 20 de março de 2020.

BRUCH, K. L.. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, Luiz Otávio; BOFF, Salete Oro; DEL'OLMO, Florisbal de Souza. (Org.). Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. 1 ed. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008. Disponível em: http://nbcgib.uesc.br/nit/ig/app/papers/Indica%C3%83%C2%A7%C3%83%C2%B5es%20Geogr%C3%83%C2%A1ficas%20para%20o%20Brasil%20-%20problemas%20e%20perspectivas.pdf. Acesso em: 25 de abril de 2020.

CACAU de Tomé-Açu recebe primeira IG do Pará. Agência Sebrae de Notícias, 2019. Disponível em: . Acesso em: 15 de out. de 2019.

CAMTA. Comemorativo do 25º Aniversário de Fundação da Colônia de Tomé-Açu. Tomé-Açu, 1954.

CAMTA. Relatos Históricos da Cooperativa Agrícola Mista de Tomé-Açu. Tomé-Açu, 2009.

CASTRO, F. M. Cinquenta anos da imigração japonesa na Amazônia. Belém, PA: Falângola, 1979.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. Ed. São Paulo Pearson Prentice Hall, 2007.

COUTO, M. C. D. M. (2013). Beneficiamento e comercialização dos produtos dos sistemas agroflorestais na Amazônia, Comunidade Santa Luzia, Tomé-Açu, Pará. 2013. Dissertação (Pós-graduação em Agriculturas Amazônicas). UFPA, Belém/PA. Disponível em: http://ppgaa.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/dissertacoes/2013/maria-cristina-de-moraes-couto-publicado.pdf. Acesso em: 03 de novembro de 2019.

CONCEIÇÃO, Júnia Cristina PR; BARROS, Alexandre Lahóz Mendonça de. Certificação e rastreabilidade no agronegócio: instrumentos cada vez mais necessários. IPEA. TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 1122 Brasília. Outubro de 2005. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1122.pdf. Acesso em: 17 de março de 2020.

EQUIPE TORO RADAR, 2016. Commodities - O que são?. Disponível em: . Acesso em: 17 de novembro de 2019.

FLICK, Uwe. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. – Porto Alegre : Penso, 2012.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6. Ed. São Paulo, Atlas, 2018.

GUIA DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA 2009. Disponível em: Acesso em: 20 de outubro de 2019.

HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. A imigração japonesa na Amazônia: Sua contribuição ao desenvolvimento agrícola. 2ª edição. Brasília, DF: Embrapa, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/304581208_A_IMIGRACAO_JAPONESA_IMIGRACAO_JAPONESA_NA_AMAZONIA_sua_contribuicao_ao_desenvolvimento_agricola. Acesso em: 12 de junho de 2020.

HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. Dinâmica dos sistemas agroflorestais: o caso da colônia agrícola de Tomé-Açu, Pará. In: Embrapa Amazônia Oriental-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 42., 2004, Cuiabá. Dinâmicas setoriais e desenvolvimento regional: artigos completos. Cuiabá: SOBER: UFMT, 2004.

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Seção IV. Revista da Propriedade Industrial. Nº 2508. INPI. 29 de Janeiro de 2019. Disponível em: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:D8VQiZ_3Z9MJ:https://www.portalintelectual.com.br/revista-da-propriedade-industrial-rpi-2508-comunicados-inpi-2-2/+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 10 de março de 2020.

INDICAÇÕES Geográficas Brasileiras. Sebrae Nacional, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 de out. de 2019.

INDICAÇÕES Geográficas Brasileiras. Sebrae Nacional, 2018. Disponível em: . Acesso em: 1 de novembro de 2019.

ITO, Kazuhiro. Orientações de Beneficiamento do Cacau. 19/02/2020. Disponível em: https://www.cacaudetomeacu.com.br/artigo/bpf-boas-praticas-de-fabricacao. Acesso em 16 de junho de 2020.

KONAGANO, Michinori et al. Sistema Agroflorestal de Tomé-Açu, Pará – SAFTA. X Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais SAF: aprendizados, desafios e perspectivas, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 de ago. de 2019.

LEI Nº 9279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Disponível em: Acesso em: 15 de outubro de 2019.

MAIORKI, Giovane José; DALLABRIDA, Valdir Roque. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. INTERAÇÕES, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, jan./jun. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/inter/v16n1/1518-7012-inter-16-01-0013.pdf. Acesso em 10 de abril de 2020.

NUNES, Gilvanda Silva; BANDEIRA, Maria Da Glória Almeida;

NASCIMENTO, Jaqueline Silva. Indicações geográficas (IGs): instrumento de desenvolvimento sustentável. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 2, n. 4, p. 344-352, 2012. Disponível em: http://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/51. Acesso em 05 de dezembro de 2019

PELLIN, Valdinho. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações (Campo Grande), v. 20, n. 1, p. 63-78, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/inter/v20n1/1518-7012-inter-20-01-0063.pdf. Acesso em: 20 de novembro de 2019.

VALENTE, Maria Emília Rodrigues et al. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, v. 42, n. 3, p. 551-558, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cr/v42n3/a7712cr5407.pdf. Acesso em: 14 de outubro de 2019.

VELLOSO, Carolina Quiumento et al. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). Dissertação (Programa de PósGraduação em Agroecossistemas) Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/91692/249759.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 de junho de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: