THE SMOKED MEAT OF MARAGOGIPE-BA: CONTRIBUTIONS OF QUALITATIVE RESEARCH TO GEOGRAPHICAL INDICATION

Aline Sousa von Beckerath, Leonardo Santana Marques, Maria Esther Pires e Silva, Jerisnaldo Matos Lopes, Marcelo Santana Silva

Resumo


O presente artigo visa compreender o mecanismo de produção da carne de fumeiro, produto proveniente da cidade de Maragogipe, recôncavo baiano, feito a partir de um processe de defumação da carne de porco, de modo a contribuir com a discussão sobre possível Indicação Geográfica (IG) para o referido produto. Para tanto, utilizou-se pesquisa bibliográfica sobre a produção e notoriedade da carne de fumeiro, bem assim uma pesquisa qualitativa consistente em uma entrevista com a presidente da Associação de produtores. A partir da coleta dos dados, situa-se a localidade onde o produto é produzido, explana-se brevemente sobre o que é uma IG, descreve-se o processo produtivo, a notoriedade do produto, os problemas advindos da irregularidade do não atendimento das normas da vigilância sanitária da falta de infraestrutura para a produção, bem como identifica o atual nível de organização dos produtores. Todos esses elementos estudados demonstram que a carne de fumeiro de Maragogipe é um produto com um grande potencial para a obtenção de registro de Indicação Geográfica.


Palavras-chave


Carne de fumeiro; Indicação Geográfica; Maragogipe; Recôncavo da Bahia

Texto completo:

PDF

Referências


BELLETTI, Giovanni; MARESCOTTI, Andrea; TOUZARD, JEAN-MARC. Geographical Indications, Public Goods, and SustainableDevelopment: The Roles of Actors’ Strategies and Public Policies. World Development, v. 98, pp. 45–57, 2017

DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2015.05.004

BAHIA (estado). Lei nº 628 de 30 de dezembro de 1953. Fixa a Divisão Territorial Administrativa do Estado da Bahia, a vigorar de 01 de janeiro de 1954 a 31 de dezembro de 1958. Salvador: Assembleia Legislativa, [1953]. Disponível em: http://www.legislabahia.ba.gov.br/documentos/lei-no-628-de-30-de-dezembro-de-1953. Acesso em: 21 abr. 2019.

______. Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura.. Maragogipe terá a primeira indústria especializada em beneficiamento de carne de fumeiro do Brasil. Salvador: SEAGRI, [2013]. Disponível em: http://www.seagri.ba.gov.br/noticias/2013/09/10/maragogipe-ter%C3%A1-primeira-ind%C3%BAstria-especializada-em-beneficiamento-de-carne-de. Acesso em: 26 de mar. de 2019.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasília: Casa Civil, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em: 30 de mar. de 2019.

CARECA, E. “Câmara de defumação” em Maragogipe, no Recôncavo Baiano: a Meca da carne de fumeiro. Enadio Careca [2016]. Disponível em: http://www.enadiocareca.com/2016/12/camara-de-defumacao-em-maragogipe-no_17.html. Acesso em: 29 de mar. de 2019.

CALDAS, Alcides dos Santos; ARAÚJO, Cristiano Cassiano de. COURY, Rafael de Lira Mansur. As Indicações Geográficas (IGs) como estratégia de desenvolvimento territorial: desafios e potencialidades no distrito de Maragogipinho, Aratuipe,BA. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE, v. 3, n. 38, pp. 81–108, 2017.

DOI: http://dx.doi.org/10.21452/rde.v3i38.5032

CONCEIÇÃO, Erick G. e CASTRO, Janio Roque B. O carnaval de Maragogipe-BA como patrimônio imaterial: uma leitura a partir da geografia cultural. Caminhos de Geografia. 2014, v. 15, n. 50, junho de 2014. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/23689. Acesso em: 22 de abr. 2019.

CONEJERO, Marco Antonio; CÉSAR, Aldara da Silva. A Governança de Arranjos Produtivos Locais (APLS) para p Gestão Estratégica de Indicações Geográficas (IGS). Ambiente & Sociedade. v.20 n.1, São Paulo, Jan./Mar, 2017.

DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20160010v2012017

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed,São Paulo: Atlas, 2002

KAKUTA, S. M., SOUZA, A. L., SCHWANKE, F. H., & GIESBRECHT, H. O. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre: SEBRAE, 2006.

KEGEL, Patrícia Luiza; CARLS, Suelen. O Instituto Jurídico da Indicação Geográfica na promoção do desenvolvimento regional: o caso dos cristais artesanais da região de Blumenau. Redes (St. Cruz Sul, Online) v. 20, n 3, p. 293-313, 2015.

DOI: https://doi.org/10.17058/redes.v20i3.4381

MAIORKI, Giovane Jose; DALLABRIDA, Valdir Roque. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações (Campo Grande), v.16, n.1, pp.13-25, 2015, DOI: https://doi.org/10.1590/151870122015101.

MARAGOGIPE (Município). Lei Municipal nº 019, de 7 de agosto de 2017.Autoriza o Chefe do Poder Executivo a doar bem imóvel público que identifica e para a finalidade que indica, na forma do artigo 126 da Lei Orgânica do Município de Maragogipe e dá outras providências. Disponível em: http://maragogipe.ba.io.org.br/contasPublicas/download/1078054/497/2017/8/publicacoes/6AFFFF85-DF40-B651-A7C685869C387076.pdf. Acesso em: 28 mar. 2019.

MARINHO, C. Carne de Fumeiro. Slowfood: [2017]. Disponível em: https://www.slowfoodbrasil.com/arca-do-gosto/produtos-do-brasil/1198-carne-de-fumeiro. Acesso em: 25 de mar. de 2019.

MARQUES, D. T. Cortina de fumaça: a produção de carne de fumeiro no Recôncavo Baiano. Estadão, São Paulo: [2015]. Disponível em: https://paladar.estadao.com.br/noticias/comida,cortina-de-fumaca-a-producao-de-carne-de-fumeiro-no-reconcavo-baiano,10000007968. Acesso em: 28 de mar. de 2019.

MARQUES, Bartolomeu das Neves; BULCÃO, Camila Santos; LIMA, Ângela Maria Ferreira; LOPES, Jerisnaldo Matos; SILVA, Marcelo Santana. Artefatos de Couro de Ipirá: Potencial de Indicação Geográfica no Território da Bacia Do Jacuípe – Bahia. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 12, n. 5, p. 1598-1611, 2019.

DOI: http://dx.doi .org/10.9771/cp.v12i5 %20Especial.31018

NASCIMENTO, J. S.; NUNES, G. S.; FIALHO, A. S.; BANDEIRA, M. da G. A. Indicações Geográficas: agregação de valor aos produtos brasileiros e maranhenses. Revista GEINTEC, São Cristóvão/SE, v. 2, n.4, p.353-364, 2012. Disponível em:

http://revistageintec.net/index.php/revista/article/viewFile/53/128. Acesso em: ago. de 2019.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO [MAPA]. Indicação Geográfica. 2017. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica. Acesso em 25 de mar. de 2019.

PELLIN, Valdinho Pellin. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações (Campo Grande), v. 20, n. 1, p. 63-78, 2019. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v20i1.1792

PEREIRA, Mara Elena Bereta de Godoi, LOURENZANI, Ana Elisa Bressan Smith,

Kassia Watanabe. Indicações Geográficas como estratégia de desenvolvimento: o caso do Norte Pioneiro do Paraná. Interações (Campo Grande), v.19 n.3, pp 515-528, Campo Grande, 2018. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v19i3.1654

PREFEITURA DE MARAGOGIPE. Carne de fumeiro de Maragojipe é preparada pela primeira vez em evento gastronômico em São Paulo. [2018]. Disponível em: http://maragojipe.ba.gov.br/carne-de-fumeiro-de-maragojipe-e-preparada-pela-primeira-vez-em-evento-gastronomico-em-sao-paulo/ . Acesso em: 28 de mar. de 2019.

______. Obra da Unidade de Beneficiamento do Fumeiro está avançada. Maragogipe: [2018]. Disponível em: http://maragojipe.ba.gov.br/obra-da-unidade-de-beneficiamento-do-fumeiro-esta-avancada/. Acesso em: 28 de mar. de 2019.

______. Reunião constitui associação de produtores de fumeiro de Maragojipe. Maragogipe: [2017]. Disponível em: http://maragojipe.ba.gov.br/reuniao-constitui-associacao-de-produtores-de-fumeiro-de-maragojipe/. Acesso em: 28 de março de 2019

ROCHA, A. M; SOUZA, D. O; SILVA, M. S. Abacaxi de Itaberaba: A Pérola do Nordeste Baiano que Merece ser Protegido/Bahia, Revista INGI Vol.3, n.2, p.320-332. Abr/Mai/Jun, 2019. Disponível em: http://www.ingi.api.org.br/index.php/INGI/article/view/48/48

SANTOS, S. Simone Santos: depoimento [mar. 2019]. Entrevistadora: A. S. Beckerath. 1 arquivo .mp4 (30 min.)

SCHNEIDER, Michele Domingos; ZILLI, Julio Cesar; PINTO VIERA, Adriana Carvalho. Os Impactos da Indicação de Procedência no Desenvolvimento Econômico na Produção de Uva, nos Municípios dos Vales da Uva Goethe – SC. Caderno de Prospecção, Salvador, v. 10, n. 2, p. 327-340, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i2.17928

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA (SEI). Disponível em: http://www.sei.ba.gov.br/site/resumos/notas/2920601_NOTA.pdf. Acesso em: 26 de abr. 2019.

VALENTE, M. E.; PEREZ, R.; RAMOS, A. M.; CHAVES, J. B. P. Indicação Geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 3, p. 551-558, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n3/a7712cr5407.pdf. Acesso em: jul. de 2019.

WILKINSON, John; CERDAN, Claire; DORIGON, Clovis. Geographical Indications and “Origin” Products in Brazil – The Interplay of Institutions and Networks. World Development, v. 98, pp. 82–92, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2015.05.003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Revista INGI - Indicação Geográfica e Inovação. A Revista INGI está licenciada com a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

ISSN: 2594-8288

Esta Revista é uma publicação da Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - API - www.api.org.br 

A REVISTA INGI está cadastrada nos sistemas: